Mercado fechado
  • BOVESPA

    118.328,99
    -1.317,01 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.810,21
    -315,49 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,03
    -0,10 (-0,19%)
     
  • OURO

    1.867,60
    +1,70 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    30.037,34
    +504,81 (+1,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    589,84
    -90,06 (-13,25%)
     
  • S&P500

    3.853,07
    +1,22 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    31.176,01
    -12,39 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.715,42
    -24,97 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,74 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.645,62
    -111,24 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    13.383,50
    -12,00 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5108
    +0,0024 (+0,04%)
     

Fortuna de bilionários parou de crescer em 2018, diz estudo

Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo

Os bilionários não escaparam das correções das bolsas de valores em 2018, de acordo com um estudo publicado nesta sexta-feira (8) pelo banco suíço UBS, já que a expansão de sua fortuna registrou uma pausa após cinco anos de forte crescimento.

No ano passado, a fortuna acumulada de bilionários foi de cerca de 8,5 trilhões de dólares, segundo estimativas do banco suíço, ou seja, 388 bilhões de dólares a menos do que em 2017, o que equivale a uma redução de 4,3% em um ano.

De acordo com este estudo realizado pelo maior banco suíço com a empresa de auditoria e consultoria PWC, essa queda foi notável na região da Ásia-Pacífico. A fortuna de bilionários no final de 2018 foi estimada em 2,49 trilhões de dólares, ou seja, 217 bilhões a menos que no ano anterior.

A região tinha 60 bilionários a menos que em 2017, reduzindo seu número para 754. Cerca de 160 pessoas deixaram a lista de bilionários e 110 pessoas entraram.

Na Europa, na África e no Oriente Médio, a fortuna acumulada de bilionários foi estimada em 2,4 trilhões de dólares.

Só a América registrou leve aumento, com uma fortuna estimada em 3,63 trilhões de dólares, o que representa um aumento de 4,4 bilhões, ou seja, 0,1%, impulsionado principalmente pelos gigantes da tecnologia.

"O boom bilionário nos últimos cinco anos sofreu uma correção natural", com os efeitos de mudanças e oscilações nas bolsas de valores devido à incerteza geopolítica", disse Josef Stadler, diretor de gerenciamento de fortunas do UBS para Clientes ultrarricos.