Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.011,72
    +328,17 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,33
    +0,06 (+0,11%)
     
  • OURO

    1.857,00
    +0,80 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    33.911,88
    +464,63 (+1,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    683,04
    +6,14 (+0,91%)
     
  • S&P500

    3.845,29
    +3,82 (+0,10%)
     
  • DOW JONES

    30.901,58
    -95,40 (-0,31%)
     
  • FTSE

    6.638,85
    -56,22 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    30.159,01
    +711,16 (+2,41%)
     
  • NIKKEI

    28.822,29
    +190,84 (+0,67%)
     
  • NASDAQ

    13.395,00
    +33,50 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6397
    -0,0123 (-0,18%)
     

Forte retorno das exportações da China faz com que indústria se esforce para encontrar trabalhadores

Gabriel Crossley e Stella Qiu
·1 minuto de leitura
Fábrica em parque industrial no porto de Qidong, China

Por Gabriel Crossley e Stella Qiu

PEQUIM (Reuters) - A recuperação da manufatura na China, alimentada em parte pela demanda de consumidores reprimidos pela Covid no exterior, superou as expectativas este ano, tanto que as fábricas agora estão lutando para preencher a escassez de operários para atender a pedidos acumulados.

A produção de robôs industriais, equipamentos de informática e circuitos integrados do país já disparou em relação à paralisia do coronavírus -- a produção no ano até novembro avançou 22,2%, 10,1% e 15,9%, respectivamente.

Grande parte do 'boom' industrial veio da demanda externa, com o crescimento das exportações superando as expectativas em oito dos últimos nove meses.

A notável reviravolta ocorre depois que a China praticamente erradicou o vírus e contrasta com as lentas retomadas vistas nos principais países industrializados, onde as fábricas ainda estão lutando contra interrupções devido à pandemia e o impacto na demanda.

A participação da China nas exportações globais aumentou para mais de 13% no segundo e terceiro trimestres, ante 11% no ano passado, de acordo com a Nomura, a maior taxa para qualquer trimestre desde pelo menos 2006, quando o banco de investimento começou a compilar os dados.

Dados do governo mostram que em novembro havia mais pessoas empregadas no setor industrial na cidade de Jinhua, que inclui o centro de exportação de Yiwu, do que em qualquer momento desde o final de 2017.

"Demitimos cerca de 50 trabalhadores no primeiro semestre e, agora, com os pedidos disparando, estamos com falta de pessoal e não podemos aumentar ainda mais a produção", disse Deng Jinling, que possui uma fábrica de garrafas térmicas em Yiwu, vendendo para o Oriente Médio, Estados Unidos e Europa.