Mercado abrirá em 7 h 47 min
  • BOVESPA

    114.177,55
    -92,52 (-0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.164,01
    +292,65 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,36
    +0,35 (+0,43%)
     
  • OURO

    1.923,90
    -6,10 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    22.786,53
    -340,91 (-1,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    516,12
    -11,07 (-2,10%)
     
  • S&P500

    4.060,43
    +44,21 (+1,10%)
     
  • DOW JONES

    33.949,41
    +205,57 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    +16,24 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    22.543,88
    -22,90 (-0,10%)
     
  • NIKKEI

    27.367,48
    +4,73 (+0,02%)
     
  • NASDAQ

    12.028,00
    -78,75 (-0,65%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5113
    -0,0084 (-0,15%)
     

Ford vai demitir até 3.200 funcionários na Europa, diz sindicato

Por Victoria Waldersee e Christina Amann

BERLIM (Reuters) - A Ford planeja cortar até 3.200 funcionários na Europa e transferir parte do trabalho de desenvolvimento de produtos para os Estados Unidos, afirmou a central sindical alemã IG Metall nesta segunda-feira.

Aumento de custos para produção de baterias e perspectivas de desaceleração da economia nos Estados Unidos e Europa estão colocando pressão sobre as montadoras de veículos. A guerra de preços de veículos elétricos lançada pela Tesla este mês intensificou o quadro, afirmaram analistas.

A Ford planeja demitir até 2.500 funcionários em desenvolvimento de produtos e até 700 postos administrativos, com localizações da empresa na Alemanha sendo as mais afetadas, afirmou o IG Metall.

Representante da Ford na Alemanha não comentou o assunto.

A Ford emprega 45 mil pessoas na Europa e está planejando sete novos veículos elétricos para a região, uma fábrica de montagem de baterias na Alemanha e uma fábrica de células de níquel na Turquia.

A margem de lucro antes de impostos da Ford na Europa foi de 2,2% das vendas nos nove primeiros meses de 2022, bem abaixo de níveis obtidos na América do Norte.

"Não vamos evitar de usar medidas que possam impactar seriamente a companhia, não apenas na Alemanha mas em toda a Europa", afirmou o IG Metall.