Mercado fechado

Ford Territory: SUV chinês virá enfrentar Jeep Compass no Brasil

feedback@motor1.com (Redação)
Ford Territorry (BR)

Modelo será apresentado no Salão de SP para "testar reação do público"

Há muitas incertezas sobre como será o futuro da Ford, após a declaração polêmica feita nos EUA de que eles deixariam de vender sedãs e hatches por lá. No Brasil, as coisas ficam um pouco mais definidas com uma prévia do que será apresentado durante o Salão do Automóvel de São Paulo, entre os dias 8 e 18 de novembro. Uma das novidades será o Ford Territory, SUV médio feito na China para competir diretamente com o Jeep Compass e que aparecerá no evento para medir a aceitação do público, mas praticamente confirmado para o nosso mercado.

Ford Territorry (BR)

Leia também

O modelo que estará no Salão veio direto da China e a Ford diz que será apresentado apenas para medir a aceitação do público com um SUV deste porte. Conversando com executivos da empresa, o Motor1.com apurou que o Territory foi desenvolvido para ter um custo baixo de produção e permitir que tenha um preço agressivo, até mesmo se vier importado. A fabricante ainda está analisando a melhor forma de vendê-lo no Brasil, mas está confirmado que terá a mesma motorização que no oriente.

O Territory foi apresentado na China em agosto, desenvolvido no país com base no JMC Yusheng S330, empresa com quem a Ford tem uma parceria. É um carro que mede 4,58 metros de comprimento, 1,93 m de largura, 1,67 m de altura e 2,71 m de entre-eixos. Como comparação, o Jeep Compass mede 4,41 m de comprimento e 2,63 m de entre-eixos. É equipado com motor 1.5 turbo de 163 cv e câmbio manual ou automático de 6 marchas, uma versão turbinada do 1.5 Dragon usado tanto no Ka quanto no EcoSport.

Ford Territorry (BR)
Ford Territorry (BR)

Não é difícil entender porque a Ford irá apostar em um SUV médio. Afinal, o carro mais vendido entre os utilitários é justamente o Jeep Compass, um carro que custa mais de R$ 100 mil e que emplaca mais do que modelos até R$ 30 mil mais baratos. E a sua aposta no segmento compacto, o EcoSport, não conseguiu recuperar a liderança. Oferecer um produto mais caro (ou seja, com maior margem de lucro) e inédito ajudará a melhorar a imagem da empresa.

Com reportagem de Daniel Messeder