Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    +0,23 (+0,37%)
     
  • OURO

    1.784,80
    +2,80 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    51.143,43
    -2.237,15 (-4,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.178,32
    -64,74 (-5,21%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.931,67
    -256,50 (-0,88%)
     
  • NASDAQ

    13.763,75
    +13,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5430
    +0,0014 (+0,02%)
     

Ford monta veículos parcialmente e paralisa duas fábricas por falta de chips

Ben Klayman
·2 minuto de leitura
.

Por Ben Klayman

DETROIT (Reuters) - A Ford disse nesta quinta-feira que, por enquanto, montará sua picape F-150 e a SUV Edge na América do Norte sem certas peças e que paralisará as atividades de duas fábricas de montagem em razão da escassez global de chips semicondutores.

A montadora disse que a falta de chips, combinada com a ausência de uma peça devido a uma tempestade de inverno no centro dos EUA, a levou a montar veículos e mantê-los por várias semanas até que possam ser concluídos e despachados. O número de veículos afetados chega a milhares, disse uma porta-voz.

A Ford disse que também está paralisando a produção nas fábricas de Louisville, no Kentucky, e em Colônia, na Alemanha.

Os custos associados a essas ações fazem parte da previsão anterior de que os lucros este ano podem ser atingidos em 1 bilhão a 2,5 bilhões de dólares devido à escassez de chips.

A escassez, que atingiu as montadoras em todo o mundo, decorre de uma confluência de fatores. Os fabricantes de automóveis fecharam fábricas por dois meses durante a pandemia de Covid-19 no ano passado e cancelaram os pedidos de chips.

Enquanto isso, a demanda por chips aumentou na indústria de eletrônicos de consumo, com mais pessoas trabalhando em casa e jogando videogame. Agora, os fabricantes de automóveis devem competir por chips.

No mês passado, a Ford cortou turnos em duas fábricas que fabricam caminhões F-150, uma mudança que se seguiu aos cortes de produção de outros veículos. A Ford, como outras montadoras, vai priorizar chips para veículos de maior margem, quando puder.

Também na quinta-feira, a japonesa Nissan disse que a falta de chips a levou a cortar a produção em suas fábricas em Smyrna, Tennessee, Canton, Mississippi e Aguascalientes, no México, mas não divulgou quanto volume seria perdido com a ação.

Na segunda-feira, a General Motors disse que estava montando algumas picapes leves sem um módulo de gerenciamento de combustível, que gera uma milha por galão de economia de combustível. A GM disse anteriormente que a falta de chips pode cortar em até 2 bilhões de dólares os lucros deste ano.

Os caminhões e utilitários esportivos da Ford montados sem certas peças incluem alguns módulos eletrônicos, disse. Ela não identificou os fornecedores das peças afetadas, mas uma porta-voz disse que as peças necessárias para os veículos F-150 e Edge estão vinculadas a funções básicas, como limpador de pára-brisa e sistemas de entretenimento informativo.

A Ford cancelou o turno da noite de quinta-feira e os dois turnos desta sexta-feira em sua fábrica em Louisville, que monta os utilitários esportivos Ford Escape e Lincoln Corsair. Espera-se que a produção seja retomada em turnos curtos na segunda-feira e a produção total no dia seguinte.

((Tradução Redação São Paulo; +55 11 56447764))

REUTERS PAL AAP