Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    32.095,55
    -563,14 (-1,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

Ford decide fechar fábricas e encerrar produção no Brasil

·3 minuto de leitura

DETROIT/SÃO PAULO (Reuters) - A Ford anunciou nesta segunda-feira que vai fechar suas três fábricas restantes no Brasil neste ano e assumir encargos antes de impostos de cerca de 4,1 bilhões de dólares, como parte de uma reestruturação que a empresa afirma ser global e que já havia atingido em 2019 a histórica unidade da companhia em São Bernardo do Campo (SP).

A produção cessará imediatamente nas fábricas da Ford em Camaçari (BA) e Taubaté (SP), com a produção de alguns produtos sendo ainda mantida por alguns meses para sustentar os estoques para vendas de reposição. A unidade que monta o utilitário Troller, em Horizonte (CE), continuará operando até o quarto trimestre.

A maior das três fábricas da empresa fica no polo de Camaçari (BA), onde a empresa emprega cerca de 10 mil funcionários e fabrica os modelos Ecosport e Ka, afirmou um diretor do sindicato local, acrescentando que a unidade até agora tem trabalhado em dois turnos.

A empresa estava convocando dirigentes das fábricas para uma reunião "de emergência" nesta tarde, segundo as entidades.

Em mensagem gravada e distribuída por redes sociais, o presidente do sindicato de metalúrgicos de Camaçari, Júlio Bonfim, convocou uma assembleia "de urgência" de trabalhadores para a terça-feira para discutir o anúncio de fechamento da fábrica.

"É um comunicado que para a gente é muito difícil de absorver...Amanhã vamos tentar fazer algum direcionamento, isso bateu nas nossas costas de forma muito forte. Nunca imaginamos que isso aconteceria no Brasil: o fechamento da produção de veículos de uma empresa como a Ford."

Em Taubaté, a montadora norte-americana emprega cerca de 800 funcionários, informou o sindicato local. A fábrica produz motores e transmissões.

Procurada, a Ford informou que emprega no Brasil 6.171 funcionários. Em São Paulo são 1.652, na Bahia 4.059 e no Ceará 460. A empresa não se manifestou além da publicação de comunicado à imprensa.

"Como resultado, a companhia vai parar as vendas do EcoSport, Ka e do T4 assim que os estoques forem vendidos. As operações de manufatura na Argentina e no Uruguai e as vendas em outros países sul-americanos não serão afetadas", informou a Ford em comunicado.

"A Ford vai continuar a facilitar alternativas razoáveis para as partes interessadas assumirem as fábricas", acrescentou a companhia.

A Ford afirma que foi a primeira indústria automotiva a se instalar no Brasil, em 1919. A empresa inaugurou uma fábrica na cidade de São Paulo em 1953, e o primeiro veículo Ford, o caminhão F-600, saiu da linha de montagem em agosto de 1957.

A anúncio da Ford ocorreu cerca de um mês depois que a alemã Mercedes-Benz divulgou o fechamento da produção de carros em Iracemápolis (SP) após concluir que a unidade não se enquadra mais no processo de reestruturação do grupo.

Procurada, a associação que representa as montadoras de veículos no Brasil preferiu não se manifestar sobre o assunto, mas afirmou em breve comunicado que respeita e lamenta a decisão da Ford. "Mas isso corrobora o que a entidade vem alertando há mais de um ano sobre a ociosidade local, global e a falta de medidas que reduzam o 'Custo Brasil'", declarou.

A Anfavea informou na semana passada que espera que as vendas de veículos novos no Brasil cresçam 25% este ano, para 2,52 milhões de unidades. Apesar do crescimento, o volume projetado ainda representa uma ociosidade de cerca de 50%, uma vez que a capacidade nominal da indústria nacional é de produção de 5 milhões de veículos por ano. Em 2020, as vendas caíram cerca de 26%.

(Com reportagem adicional de Alberto Alerigi Jr. e Leonardo Benassatto, em São Paulo)