Mercado fechará em 3 h 25 min
  • BOVESPA

    118.571,63
    -1.074,77 (-0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.161,25
    +35,54 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,06
    -0,25 (-0,47%)
     
  • OURO

    1.866,20
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    31.477,61
    -2.024,49 (-6,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    626,34
    -53,57 (-7,88%)
     
  • S&P500

    3.859,94
    +8,09 (+0,21%)
     
  • DOW JONES

    31.257,55
    +69,17 (+0,22%)
     
  • FTSE

    6.724,50
    -15,89 (-0,24%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,71 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.756,86
    +233,60 (+0,82%)
     
  • NASDAQ

    13.364,00
    +69,75 (+0,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5369
    +0,1289 (+2,01%)
     

Foram aplicadas 28 milhões de doses de vacinas contra covid-19 no mundo, diz OMS

·1 minuto de leitura
Segundo a OMS, cerca de 28 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 já foram aplicadas em 46 países

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou nesta quarta-feira (13) que um total de 28 milhões de doses da vacina contra a covid-19 foram aplicadas até agora no mundo, a grande maioria em países ricos.

Dos 46 países que iniciaram suas campanhas de vacinação, 38 são nações de alta renda, disse o diretor do Programa de Emergências da organização, Michael Ryan. "Apenas um país é de baixa renda", afirmou.

"Até o momento, cerca de 28 milhões de doses foram administradas. Cinco tipos diferentes de vacinas ou plataformas foram usados", explicou ele em uma conversa on-line com jornalistas.

"Há populações que querem e precisam de vacinas, mas não vão recebê-las a não ser que façamos uma distribuição melhor", alertou.

O novo coronavírus matou mais de 1,96 milhão de pessoas desde o início da pandemia, na China em dezembro de 2019, e mais de 91,5 milhões de casos foram registrados, segundo balanço da AFP. Os números, porém, podem ser inferiores à realidade devido às diferentes metodologias e problemas de registros em diferentes países.

A situação atual, com fortes novos surtos na Europa e nos Estados Unidos, é consequência "do que aconteceu nas semanas anteriores", com as festas de Natal, explicou Maria Van Kerkhove, infectologista à frente da resposta à covid-19 na OMS.

rjm/vog/jz/eg/ic/mvv