Mercado fechará em 4 h 56 min
  • BOVESPA

    101.062,50
    +2.390,24 (+2,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.791,50
    +50,00 (+0,10%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,05
    +1,43 (+1,33%)
     
  • OURO

    1.826,70
    -3,60 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    20.797,81
    -615,39 (-2,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    453,24
    -8,55 (-1,85%)
     
  • S&P500

    3.915,36
    +3,62 (+0,09%)
     
  • DOW JONES

    31.520,13
    +19,45 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.259,91
    +51,10 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    22.229,52
    +510,46 (+2,35%)
     
  • NIKKEI

    26.871,27
    +379,30 (+1,43%)
     
  • NASDAQ

    12.123,75
    -16,75 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5279
    -0,0245 (-0,44%)
     

Foragido, diretor de empresa é acusado de desviar dinheiro para comprar equipamentos de mineração de Bitcoin

Picareta e moedas físicas de Bitcoin.
Picareta e moedas físicas de Bitcoin.

Li Qunnan (40), diretor da Zhongchang Data, teve sua prisão decretada na última quinta-feira (2) na China. As acusações apontam que o diretor desviou dinheiro da empresa para comprar equipamentos de mineração de Bitcoin.

No total, Qunnan usou 53 milhões de Yuan, equivalentes a R$ 38 milhões, para não apenas adquirir as máquinas como também hospedar as mesmas. Contudo, a empresa alega que tais equipamentos não fazem parte das operações comerciais da mesma.

Listada na bolsa, a Zhongchang Data oferece serviços de big data e desenvolvimento de software. Outro ponto agravante no caso é a situação da mineração na China, onde tal atividade está banida desde maio do ano passado.

Diretor desvia fundos para comprar máquinas de mineração de Bitcoin

De acordo com registros da própria Zhongchang Data à bolsa de Xangai, seu diretor, Li Qunnan, teria falsificado documentos para adquirir equipamentos de mineração de Bitcoin nos últimos anos.

Sendo mais específica, a empresa aponta que Qunnan teria usado 53 milhões de yuan (R$ 38 milhões) para a compra e hospedagem das ASICs da Whatsminers. Por fim, também alega que seu diretor deixou o país após as acusações, não colaborando com as investigações.

“Ele deixou o país, mas não voltou para colaborar com a investigação dos órgãos de segurança pública, continua no exterior e, até a data deste anúncio, não informou o remetente e o endereço na China,” aponta o documento da Zhongchang Data.

Após meses de investigações, Qunnan teve sua prisão decretada na última quinta-feira (2) por suspeita de apropriação indébita de fundos. Apesar disso, tudo indica que o diretor ainda esteja fora da China e em liberdade.

Em sua defesa, Qunnan teria enviado uma declaração a administração da empresa, afirmando que não teria se apropriado dos fundos. Contudo, a empresa seguiu acusando seu diretor.

Situação da mineração de Bitcoin na China

Agravando a situação do diretor da Zhongchang Data, outra questão é a legalidade do setor de mineração na China, país onde a empresa é sediada. Após banir a atividade em seu solo, em maio do ano passado, a China mostrou-se disposta a combater os que tentavam operar às sombras.

Com isso, o julgamento deste caso pode ser ainda mais rígido. Afinal, parece ser de interesse do Estado que este sirva de lição para outros conforme a China ressurgiu como a 2.ª maior mineradora de Bitcoin em recente estudo publicado no mês passado.

Fonte: Livecoins

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos