Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,86
    +2,37 (+2,98%)
     
  • OURO

    1.671,80
    -0,20 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    19.207,61
    -108,96 (-0,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    10.997,50
    -38,00 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3040
    +0,0060 (+0,11%)
     

Fora da faculdade, ex-estudantes têm dificuldades em pagar dívida do Fies

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO, SP (FOLHAPRESS) - A busca da auxiliar administrativa Evenise Castro, 28, pelo diploma de ensino superior terminou em frustração e com uma dívida de R$ 67 mil. Moradora de Pelotas, no Rio Grande do Sul, ela financiou o curso de direito em uma instituição privada na esperança de uma promoção na empresa.

Faltando pouco mais de um ano para concluir a faculdade, ela teve o contrato do Fies (Financiamento Estudantil) cancelado por um problema no processo de renovação obrigatório. Ela até tentou continuar o curso no módulo particular, mas teve que abrir mão do diploma quando o preço da mensalidade pesou demais. "Aumentou R$ 500 de um semestre para o outro e não consegui manter".

Passado os 18 meses de carência até a amortização do contrato do financiamento começar, ela ainda não tinha se reestabelecido financeiramente. Sem diploma e sem conseguir arcar com as parcelas do financiamento, ficou inadimplente.

Assim como ela, milhares de estudantes brasileiros que foram à faculdade na intenção de conquistar melhores oportunidades no mercado de trabalho estão com dívidas no financiamento. Segundo o FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação), 1.093.053 contratos do Fies estão com atraso no pagamento das parcelas.

Para diminuir o número de inadimplentes, o governo federal lançou uma campanha de renegociação que oferece abatimento de até 99% na dívida. O acordo pode ser feito na Caixa Econômica Federal ou no Banco do Brasil.

Podem solicitar a renegociação estudantes que contrataram o financiamento até o segundo semestre de 2017 e que possuem parcelas em atraso acima de 90 dias em 30 de dezembro de 2021. De acordo com o FNDE, atualmente 891.355 contratos se enquadram nessas condições.

Ainda segundo o FNDE, 780.487 estudantes estão em dia com a mensalidade. Esse grupo também pode participar da negociação para quitar o saldo devedor, em parcela única, com desconto de 12% sobre o valor restante do contrato.

A expectativa de negociar a dívida e limpar o nome animou Evenise até o momento de fazer as simulações. As condições disponíveis eram de pagar 15 parcelas de R$ 1.029,19 ou em até 150 vezes de R$ 728,37. Nos dois casos, a cobrança sofre reajuste mensal da Selic.

"Estava na esperança de negociar agora, pois preciso do meu nome limpo. Mas o valor ficou totalmente inviável. Eu preciso escolher se termino o curso, pago o Fies ou fico com dinheiro para viver".

Formado em fisioterapia em 2018, Pedro Paulo do Nascimento, 29, aguardava o período de negociação para tentar quitar o contrato de quase 15 anos que tem com o Fies. Desde que o período de amortização começou em 2020, ele tem conseguido manter os pagamentos em dia.

"Aos trancos e barrancos eu consigo pagar. Não posso atrasar porque se não quem sofre as consequências é meu fiador".

Natural de Mossoró, no Rio Grande do Norte, Nascimento se mudou para Rosário, na Argentina, onde cursa a faculdade de medicina. A quitação do contrato aliviaria bastante as despesas, já que o Fies consome quase metade do custo de vida dele na Argentina.

Por estar em dia com o financiamento, a única proposta disponível seria quitar a dívida à vista com desconto de 12%.

"Achei um absurdo. De onde um estudante recém-formado vai tirar R$ 70 mil para um pagamento à vista".

Quando recorreu ao Fies para cursar psicologia em 2012, Cínthia Pereira da Silva, 30, achou que já estaria estabilizada na área quando as parcelas do financiamento começassem a vencer.

Mas quando conseguiu o diploma em 2016, percebeu que as coisas não seriam bem do jeito que ela imaginou. "O mercado de trabalho é muito concorrido e só a graduação não era suficiente para conseguir uma vaga".

Moradora de São José do Rio Preto, São Paulo, Cínthia conseguiu manter o pagamento até 2020, mas depois precisou abrir mão das parcelas para ir em busca de especialização. Sem conseguir conciliar os gastos, ela viu a dívida se transformar em uma bola de neve.

No início deste ano, quando o governo abriu prazo de renegociação do Fies ela conseguiu um acordo para pagar a dívida em dez vezes e com um desconto de 86% no valor total. "Foi muito tempo de sufoco, mas agora está sendo um alívio porque meu nome já não está mais negativado".

RENEGOCIAÇÃO DÁ DESCONTO DE ATÉ 99%

Paula Rodrigues Ferreira, 26, tinha acabado de concluir o ensino médio quando decidiu ingressar na faculdade de direito em uma instituição particular em 2014. Mesmo sem ter certeza se era o que queria, ela recorreu ao financiamento estudantil.

"Foi meio por impulso. Fazia estágio em uma empresa que dava oportunidade de trabalho para quem estava na faculdade e decidi entrar".

No segundo ano da graduação, moradora de Rolândia, no Paraná, ela se deu conta de que não era o que queria e trancou a matrícula. Na mesma época, perdeu o emprego e mudou de cidade.

Quando a fase de amortização do contratou terminou, já não tinha condições de pagar a conta. "Fiquei desesperada. Eu não tinha nem coragem de ir atrás. Tinha medo só de saber quanto estava devendo".

Foram cinco anos tentando ignorar a dívida, até que Paula decidiu parar de fugir da situação. Ela entrou em um grupo nas redes sociais que reúne estudantes interessados em compartilhar histórias e tirar dúvidas sobre o Fies. Foi quando soube da abertura do período de renegociação.

"Precisei ir no banco porque não tinha mais acesso ao aplicativo". A dívida total estava em R$ 14,8 mil. Até que veio a surpresa, por estar registrada no CadÚnico e ter recebido Auxílio Emergencial em 2021, ela estava habilitada a receber desconto de 99% no pagamento à vista.

O valor para quitar o débito caiu para R$ 149. "Paguei na mesma hora, porque tive medo de eles tirarem a proposta". "Fiquei muito aliviada, porque tirei um grande peso das costas. Mas se fosse cursar faculdade de novo, não faria financiamento".