Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    48.345,49
    -1.301,64 (-2,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Forças de segurança de Mianmar usam lança-granadas e matam mais de 80 manifestantes

·1 minuto de leitura

(Reuters) - Forças de segurança de Mianmar usaram lança-granadas contra manifestantes em uma cidade próxima a Yangon na sexta-feira, matando mais de 80 pessoas, afirmou o grupo de monitoramento Associação de Assistência para Prisioneiros Políticos e veículos locais de notícias.

A associação e o veículo Myanmar Now afirmaram neste sábado que 82 pessoas foram mortas durante protestos contra o golpe militar de 1º de fevereiro no país. O ataque começou antes do amanhecer na sexta-feira e continuaram ao longo da tarde, disse o Myanmar Now.

“É como um genocídio”, teria dito um organizador do protesto chamado Ye Htut, segundo o Myanmar News. “Eles estão atirando contra qualquer sombra.”

Um porta-voz da junta limitar não pôde ser contatado neste sábado.

A associação, que mantém uma contagem diária de manifestantes mortos e presos pelas forças de segurança, havia dito anteriormente que 618 pessoas tinham sido assassinadas desde o golpe.

Esse número é contestado pelos militares, que afirmam que realizaram o golpe porque a eleição de novembro vencida pelo partido de Aung San Suu Kyi foi fraudada. A comissão eleitoral rechaça essa afirmação.

O porta-voz da junta, o major-general Zaw Min Tua, disse em entrevista coletiva na sexta-feira na capital Naypyitaw que o Exército havia registrado 248 mortes de civis e 16 de policiais, e que nenhuma arma automática havia sido usada pelas forças de segurança.

(Redação da Reuters)