Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.453,12
    +929,95 (+1,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Força da atividade empresarial da zona do euro continua em agosto, mostra PMI

·2 minuto de leitura
Fábrica da VW em Wolfsburg, Alemanha

LONDRES (Reuters) - A atividade empresarial da zona do euro permaneceu forte neste mês, mesmo recuando da máxima de duas décadas de julho, uma vez que a rápida vacinação contra o coronavírus permitiu a reabertura de mais empresas, mostrou nesta segunda-feira a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês).

Sem os problemas na cadeia de oferta, a atividade poderia ter expandido mais rápido, mas temores de que novas cepas do coronavírus possam levar a novas restrições continuaram a pesar sobre o otimismo.

O PMI preliminar do IHS Markit, considerado um bom guia da saúde econômica, caiu a 59,5 em agosto de 60,2 no mês passado. A leitura ficou acima da marca de 50 que separa crescimento de contração, e pouco abaixo da expectativa de 59,7 em pesquisa da Reuters.

"A recuperação econômica da zona do euro manteve o ímpeto impressionante em agosto, com o PMI caindo apenas ligeiramente ante a recente máxima de julho para colocar a média no terceiro trimestre até agora no nível mais alto em 21 anos", disse Chris Williamson, economista-chefe do IHS Markit.

"Os atrasos nas cadeias de oferta continuam a causar problemas, no entanto, deixando as empresas muitas vezes incapacitadas de atender à demanda e elevando os custos das empresas."

Os empresários elevaram as contratações a um ritmo quase recorde, mas ainda assim não conseguiram finalizar todas as encomendas que entraram, acumulando pedidos em atraso no terceiro ritmo mais rápido na história da pesquisa. O subíndice composto de emprego ficou em 56,1.

O PMI do setor de serviços caiu a 59,7 ante a máxima de 15 anos de julho de 59,8 e expectativa em pesquisa da Reuters de 59,8.

A indústria teve outro mês sólido, com o PMI do setor em 61,5, embora abaixo dos 62,8 de julho e da expectativa de 62,0. O subíndice de produção ficou em 59,2, de 61,1.

(Reportagem de Jonathan Cable)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos