Mercado fechará em 4 h 56 min
  • BOVESPA

    98.927,27
    -26,62 (-0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.289,03
    +545,88 (+1,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,30
    +1,87 (+1,72%)
     
  • OURO

    1.810,60
    +9,10 (+0,51%)
     
  • BTC-USD

    19.593,33
    +524,67 (+2,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    423,94
    +3,80 (+0,91%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,86 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.242,55
    +73,90 (+1,03%)
     
  • HANG SENG

    21.830,35
    -29,44 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    26.153,81
    +218,19 (+0,84%)
     
  • NASDAQ

    11.544,50
    -66,75 (-0,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5186
    -0,0401 (-0,72%)
     

Força do dólar pode ter chegado ao pico com queda de yields

(Bloomberg) -- O melhor já pode ter acabado para o dólar no mercado de câmbio internacional à medida que os crescentes temores de uma recessão nos EUA reduzem os rendimentos dos títulos do Tesouro americano.

O prêmio de rendimento dos Treasuries sobre seus principais pares encolheu de uma alta pós-pandemia em abril. A inflação mais aquecida do que em qualquer outra grande economia fora o Reino Unido diminui a demanda por ativos americanos. O dólar também está sob pressão por preocupações de que o aumento de juros do Federal Reserve possa levar a economia a uma recessão.

O Bloomberg Dollar Spot Index caiu 1,3% esta semana, seu pior desempenho de cinco dias desde novembro. A moeda só obteve ganhos relativamente pequenos durante a semana quando as ações caíam. Mas o indicador do dólar em relação às principais moedas ainda registra alta de 11% no último ano.

A correlação geralmente positiva entre o dólar e a aversão ao risco pode estar se rompendo devido à convergência de uma economia americana em desaceleração e o resto da economia global, bem como a convergência de postura agressiva do Fed e outros bancos centrais do G10, disseram em nota estrategistas do Crédit Agricole liderados por Valentin Marinov, em Londres.

O rendimento extra das notas de 10 anos do Tesouro americano em relação à média de seus pares do G7 caiu para 1,13 ponto percentual, de 1,29 em 19 de abril, de acordo dados compilados pela Bloomberg. O declínio coloca o prêmio abaixo de sua média de cinco anos de 1,17 ponto percentual.

Um grupo crescente de investidores e analistas, desde a JPMorgan Asset Management a Pimco, também diz que os rendimentos do Tesouro americano, que impulsionaram os ganhos do dólar, provavelmente atingiram o pico ou estão se aproximando de suas máximas de curto prazo.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos