Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.928,30
    +15,68 (+0,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

'Foi uma fatalidade', diz vizinha de criança morta por cachorro da família na Baixada

·2 minuto de leitura

Uma vizinha da família da pequena Esther Vianna da Silveira, de 4 anos — morta no último sábado após ser atacada por um cachorro da família, da raça rotweiller, no bairro Mantiqueira, em Xerém, distrito de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense — conta que os animais não tinham histórico de atacar pessoas. Segundo a doméstica Valéria Cristina Vieira, de 45 anos, todos na rua ficaram em choque com a tragédia da família. Esther ainda foi socorrida, mas não resistiu aos ferimentos. O corpo da menina foi enterrado no domingo, dia 1º, no cemitério de Bongaba, em Magé.

A família da vítima tem dois cachorros da raça rotweiller há dois anos. Os cães conviviam com os três filhos do casal — Esther era a caçula. O ataque do animal ocorreu no quintal da casa.

—- Os cachorros são bem tratados, foi uma fatalidade. Eles tinham o máximo de cuidado — diz Valéria. —- A gente fica abalado. Ela era uma criança alegre, saudável. Todo mundo aqui ficou em choque.

Segundo relatos de moradores do bairro, a mãe de Esther, Talita Vianna, também se machucou ao tentar separar o cachorro da criança, que teria atacado Esther depois que ela colocou um capuz na cabeça. A mãe chegou ao hospital ensanguentada e com mordidas do cachorro. Um vizinho teria arrombado o portão da casa para tentar ajudar a separar os dois durante o ataque. Na porta da casa da família, um cartaz alerta: “cão bravo”.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde de Duque de Caxias, a menina chegou a UPH de Xerém com lesões gravíssimas no rosto e na cabeça, laceração de couro cabeludo, sinais de fratura de crânio e perfurações múltiplas de tórax. Uma equipe de quatro médicos tentou reanimar a criança por cerca de 40 minutos, mas ela morreu na unidade antes de ser transferida para o Hospital de Saracuruna. O caso foi registrado na 61ª DP (Xerém) e o Conselho Tutelar não chegou a ser acionado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos