Mercado fechado

Foguete SLS gasta bilhões de dólares além do orçamento; pouso lunar pode atrasar

Daniele Cavalcante

Apesar dos esforços da NASA para cumprir o objetivo de levar novos astronautas à Lua em 2024, atrasos podem levar a agência espacial a adiar seus planos. É que os preparativos para o Programa Artemis estão cada vez mais caros, e o desenvolvimento do foguete Space Launch System (SLS) sofreu vários atrasos devido a “desafios técnicos”.

De acordo com um relatório do Escritório do Inspetor-Geral da NASA, divulgado nessa semana, cada um dos principais elementos do SLS “enfrentou vários desafios técnicos, problemas de desempenho e alterações de requisitos que resultaram em US$ 2 bilhões em custos excedentes e aumentos e pelo menos 2 anos de atraso no cronograma”.

O programa de desenvolvimento do SLS começou em 2010 e veio para substituir o Projeto Constellation, cancelado pela administração Obama, que incentivava a participação do setor privado na exploração espacial norte-americana. A fase de design do SLS foi concluída em 2014 e os contratos para testes e fabricação vieram logo depois disso. No final de 2018, NASA finalmente se comprometeu oficialmente com uma data para apresentar o veículo de lançamento pronto para voar. Essa data, no entanto, foi adiada várias vezes.

Recentemente, a NASA disse que o lançamento em novembro deste ano não era mais viável. Além disso, esses atrasos e dificuldades fizeram com que o programa ultrapassasse seu orçamento original. Parte dos atrasos são da própria agência, enquanto outras dificuldades foram encontradas pelas empresas contratadas para desenvolver parte das tecnologias do foguete.

Conceito do SLS sendo lançado (Imagem: NASA)

Como afirma o relatório, “até o final do ano fiscal de 2020, a NASA gastará mais de US$ 17 bilhões no Programa SLS - incluindo quase US$ 6 bilhões não rastreados ou relatados como parte do ABC [Agency Baseline Commitment]".

Isso não significa que a data para o pouso humano na Lua em 2024 já esteja comprometida. Ainda há boas chances de que a NASA consiga cumprir o prazo, mas a agenda fica cada vez mais apertada devido aos atrasos. Estima-se que esse primeiro lançamento do SLS ocorra no segundo trimestre de 2021 - mais de dois anos após a estimativa original. Um atraso que pode ser desanimador, mas ainda a tempo de cumprir a meta de 2024.

Seja como for, não é nenhuma surpresa que acelerar um programa de pouso na Lua seria mais difícil e mais caro do que imaginava - lembre-se que a ideia original da NASA era lançar astronautas à Lua apenas em 2028, antes de aceitar o desafio proposto pela administração Trump. Esse é um dos motivos que levaram a NASA e alguns representantes do Congresso a uma disputa para decidir o melhor cronograma e o orçamento que será concedido à agência espacial para o ano fiscal de 2021.

Por outro lado, o Escritório do Inspetor-Geral da NASA fez algumas sugestões sobre como controlar melhor os gastos e manter a agência e as empresas parceiras em dia com os prazos e gastos. Ainda assim, as repetidas advertências de atrasos parecem indicar que o objetivo de chegar à Lua em 2024 está bem perto de não ser mais possível. Até porque o Programa Artemis é um projeto de levar norte-americanos à Lua para ficar. Isso exige muito mais preparo e garantias de que os astronautas voem com segurança e a agenda política não deverá ser mais importante do que as vidas a bordo do SLS.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: