Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,79
    -0,36 (-0,57%)
     
  • OURO

    1.739,00
    +2,70 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    62.936,73
    -587,03 (-0,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.366,88
    -8,89 (-0,65%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.939,58
    +49,09 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    +403,63 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.708,17
    +87,18 (+0,29%)
     
  • NASDAQ

    13.831,50
    +32,75 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7754
    +0,0025 (+0,04%)
     

Fogo de Chão é condenada a reintegrar demitidos no Rio e pagar R$ 17 milhões

FERNANDA BRIGATTI
·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A rede de churrascarias Fogo de Chão no Rio de Janeiro foi condenada a pagar R$ 17 milhões por danos morais coletivos e a reintegrar e pagar as verbas trabalhistas de funcionários que tenham sido demitidos em massa a partir de 20 de março do ano passado. Nos primeiros dias das medidas de restrições para barrar a circulação do novo coronavírus, há cerca de um ano, a rede dispensou trabalhadores das unidades no Rio, Brasília e São Paulo. Em decisão nesta sexta-feira (5), a juíza Mirna Rosana Ray Macedo Correa, da 52ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro, determinou o pagamento de salários, férias e o terço, 13º salário e mais o recolhimento do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). A defesa da rede diz que as demissões foram dentro da lei e afirma que irá recorrer da decisão, que classificou como "gritantemente ilegal". Em junho do ano passado, as demissões feitas pela rede de churrascarias chegaram a ser suspensas por meio de liminar. As decisões provisórias acabaram derrubadas pelo TST (Tribunal Superior do Trabalho). A sentença desta sexta refere-se ao mérito do pedido apresentado pelo MPT (Ministério Público do Trabalho). Os procuradores do Rio pediam que a condenação da empresa fosse fixada em R$ 70 milhões. Para a juíza, a empresa violou "diversos princípios constitucionais" ao demitir seus funcionários sem qualquer diálogo com representantes sindicais e sem o pagamento integral das verbas de demissão. Na época, a Fogo de Chão utilizou um entendimento controverso de um artigo da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) para pagar somente metade da multa do FGTS. Após o início da ação civil pública na Justiça, a rede recuou e pagou os valores. A magistrada considerou a condenação em R$ 17 milhões mais proporcional ao dano causado pela rede de restaurantes. O dinheiro será destinado ao FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador). No Rio, segundo a ação, foram dispensados cerca de 100 empregados nas unidades da rede na Barra da Tijuca e em Botafogo. Em sua sentença, a juíza Mirna Correa proíbe a Fogo de Chão a demitir mais de dez funcionários no período de um mês. Para esse tipo de dispensa coletiva, a empresa terá de abrir negociação coletiva com o sindicato da categoria. "Com certeza, a reclamada não precisava de autorização sindical para dispensar seus empregados. Mas, conforme fundamentos já analisados, precisava dialogar com o ente sindical, buscando uma saída menos injusta para os empregados, negociando algumas questões. Se tivesse aberto este canal, dificilmente teria feito as rescisões com corte de direitos como o fez", diz a juíza, na decisão. "Teria evitado tanto sofrimento para seus empregados". A multa por descumprimento da decisão foi fixada em R$ 10 milhões. A decisão determina ainda que a obrigação de reintegrar os demitidos no ano passado não representa estabilidade no emprego. Portanto, a empresa poderá dispensá-los, desde que não haja a caracterização de demissão em massa. OUTRO LADO Ainda cabe recurso à sentença da 52ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro. O advogado Maurício Pessoa, que representa a rede de churrascarias, diz que ainda não foi notificado da decisão, mas tem a convicção de que a determinação será revogada. "A sentença está desconectada com a realidade e é gritantemente ilegal. Primeiro porque não existe lei que proíba a demissão coletiva sem contato com sindicato. Como é que eu posso ter cometido dano moral se o ato não foi ilegal?", afirma o advogado. Pessoa diz que a rede de churrascarias vai recorrer da sentença assim que possível. Na avaliação do advogado, a determinação da Justiça do Trabalho do Rio de Janeiro contraria o entendimento firmado em tribunais superiores de que as demissões não foram ilegais.