Mercado fechará em 6 h 15 min
  • BOVESPA

    122.573,88
    -1.002,68 (-0,81%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.633,91
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,48
    -2,08 (-2,95%)
     
  • OURO

    1.835,60
    +21,50 (+1,19%)
     
  • BTC-USD

    39.178,93
    +593,56 (+1,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    960,62
    +33,85 (+3,65%)
     
  • S&P500

    4.409,21
    -13,94 (-0,32%)
     
  • DOW JONES

    34.906,75
    -209,65 (-0,60%)
     
  • FTSE

    7.115,40
    +9,68 (+0,14%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    +231,73 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.584,08
    -57,75 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    15.045,50
    -0,75 (-0,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1604
    -0,0051 (-0,08%)
     

Focus Energia substitui fornecedor de módulos fotovoltaicos para projeto solar

·1 minuto de leitura
Sol refletido em painéis de energia solar, na Escócia.

SÃO PAULO (Reuters) -A Focus Energia informou nesta terça-feira que fechou contrato com a Trina Solar para o fornecimento de módulos fotovoltaicos ao Projeto Futura 1, empreendimento com 22 parques de energia solar que está sendo desenvolvido pela companhia.

O contrato com a Trina Solar subsititui acordo anterior que a Focus mantinha com a Risen Energy para os serviços. Segundo fato relevante publicado pela Focus, a alteração do fornecedor faz parte de plano de contingência para mitigar riscos e garantir o cumprimento do cronograma do projeto.

A empresa disse que houve negativa da Risen Energy em cumprir condições acordadas em contrato. "Em última instância, (isso) poderia colocar em risco o cronograma do projeto num momento sensível para o país e para toda a sociedade brasileira diante do cenário hídrico atual", afirmou a empresa.

A Focus acrescentou que, considerando o novo contrato, o Capex do projeto será de 2,74 bilhões de reais. O montante não considera "eventuais indenizações provenientes da relação contratual com o antigo fornecedor", concluiu a empresa, que disse estar tomando medidas jurídicas cabíveis.

Procurada, a Risen Energy --que possui sede na China-- disse que foi afetada por uma disparada nos preços de materiais para energia solar no país asiático ao longo do último ano, citando especialmente a inflação do polissilício.

"A situação muda muito rápido e muito dramaticamente... Tentamos renegociar os preços para essa inflação louca dos materiais solares", afirmou a companhia em comunicado por e-mail.

(Por Gabriel Araujo; edição de Nayara Figueiredo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos