Mercado fechará em 1 h 19 min
  • BOVESPA

    108.410,20
    +2.114,02 (+1,99%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.816,82
    -72,84 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,87
    +0,11 (+0,13%)
     
  • OURO

    1.807,30
    +11,00 (+0,61%)
     
  • BTC-USD

    63.029,04
    +2.609,66 (+4,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.507,55
    +1.264,87 (+521,21%)
     
  • S&P500

    4.566,50
    +21,60 (+0,48%)
     
  • DOW JONES

    35.738,69
    +61,67 (+0,17%)
     
  • FTSE

    7.222,82
    +18,27 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    26.132,03
    +5,10 (+0,02%)
     
  • NIKKEI

    28.600,41
    -204,44 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    15.498,75
    +157,75 (+1,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4508
    -0,1300 (-1,98%)
     

FMI vê recuo da inflação em 2022, mas riscos de oferta devem mantê-la elevada

·1 minuto de leitura
Logo do FMI em seu prédio em Washington

Por David Lawder

WASHINGTON (Reuters) - O Fundo Monetário Internacional disse nesta quarta-feira que a alta nos preços ao consumidor deve atingir o pico neste outono do Hemisfério Norte e recuar para níveis pré-pandemia em meados de 2022, mas os riscos de que os picos de inflação gerados ​​pela escassez se provem mais persistentes permanecem, desancorando as expectativas.

As projeções do FMI para as economias avançadas mostram que a inflação chegará a um pico de 3,6% no outono de 2021 e diminuirá para cerca de 2% em meados de 2022. Os mercados emergentes e as economias em desenvolvimento verão a inflação recuar para cerca de 4% no próximo ano, após atingir o pico em 6,8% neste outono.

A análise da equipe foi divulgada como um capítulo de análise do relatório Perspectiva Econômico Mundial, intitulado "Temores de Inflação".

"O aumento acentuado nos preços das moradias e a prolongada escassez de insumos nas economias avançadas e em desenvolvimento e as contínuas pressões sobre os preços dos alimentos e desvalorizações cambiais nos mercados emergentes podem manter a inflação elevada por mais tempo", disse o FMI no relatório.

O FMI disse que a inflação foi impulsionada recentemente pela demanda reprimida e pela poupança acumulada, alimentada por estímulos fiscais e monetários; preços de commodities em rápido aumento; e escassez de insumos e interrupções na cadeia de abastecimento.

(Por David Lawder)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos