Mercado abrirá em 21 mins
  • BOVESPA

    100.552,44
    +12,61 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.669,25
    +467,44 (+1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,42
    +0,39 (+0,97%)
     
  • OURO

    1.918,40
    -11,10 (-0,58%)
     
  • BTC-USD

    12.966,96
    +1.909,95 (+17,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    261,12
    +16,23 (+6,63%)
     
  • S&P500

    3.435,56
    -7,56 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    28.210,82
    -97,97 (-0,35%)
     
  • FTSE

    5.784,93
    +8,43 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    24.786,13
    +31,71 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    23.474,27
    -165,19 (-0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.671,75
    -19,50 (-0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6413
    -0,0087 (-0,13%)
     

FMI vê contração global menos severa, mas piora perspectivas para muitos mercados emergentes

Por David Lawder
·3 minutos de leitura
.
.

Por David Lawder

WASHINGTON(Reuters) - O Fundo Monetário Internacional disse nesta terça-feira que as previsões para a economia global estavam "um pouco menos terríveis", já que os países ricos e a China se recuperaram mais rapidamente do que o esperado diante dos lockdowns causados pelo coronavírus, mas alertou que as perspectivas estão piorando para muitos mercados emergentes.

O FMI previu uma contração global de 4,4% para 2020 em sua última Perspectiva Econômica Mundial, uma melhora em relação à contração de 5,2% prevista em junho, quando o fechamento de empresas atingiu seu pico. Esta ainda é a pior crise econômica desde a Grande Depressão dos anos 1930, disse o Fundo.

A economia global retornará a um crescimento de 5,2% em 2021, disse o FMI, mas a recuperação será um pouco mais fraca do que a prevista em junho, em parte devido às dificuldades extremas para muitos mercados emergentes e à desaceleração do ímpeto de reabertura à medida que o vírus continua a se espalhar.

As previsões refletem as ponderações cambiais revisadas para a paridade do poder de compra, que aumentam ligeiramente a influência das economias avançadas sobre a produção global.

A economista-chefe do FMI, Gita Gopinath, disse que cerca de 12 trilhões de dólares em apoio fiscal e flexibilização monetária sem precedentes de governos e bancos centrais ajudaram a limitar os danos, mas o emprego continua bem abaixo dos níveis pré-pandemia, com trabalhadores de baixa renda, jovens e mulheres entre os mais atingidos.

O FMI disse que os Estados Unidos registrarão uma contração de 4,3% do PIB em 2020, consideravelmente menos severa do que a previsão de queda de 8% de junho.

Mas a recuperação dos EUA em 2021 será um pouco menor, de 3,1% --uma previsão que não assume nenhuma ajuda federal adicional além dos cerca de 3 trilhões de dólares aprovados pelo Congresso norte-americano em março.

A economia da zona do euro encolherá 8,3% em 2020, uma melhora em relação à contração de 10,2% prevista em junho, mas há grande divergência dentro do grupo. A Alemanha, potência exportadora, terá uma contração de 6,0% em 2020, enquanto a economia da Espanha, mais dependente do turismo, deve cair 12,8%. A zona do euro retomará o crescimento com alta de 5,2% em 2021, disse o FMI.

A China, que teve uma forte e rápida reabertura e recuperação diante da pandemia, será a única economia a apresentar crescimento positivo em 2020, de 1,9% --quase o dobro da taxa prevista em junho--, e deve atingir crescimento de 8,2% em 2021, maior ritmo em quase uma década, disse o FMI.

Mas os mercados emergentes, exceto a China, terão uma contração de 5,7% em 2020, pior do que os 5,0% previstos em junho. O FMI disse que o vírus continua a se espalhar em grandes países, incluindo Índia e Indonésia, e essas economias são muito mais dependentes de setores duramente atingidos --incluindo turismo e commodities-- bem como de remessas e de outras fontes de financiamento externo.

O FMI também alertou que as "cicatrizes" econômicas decorrentes da perda de empregos, falências, problemas de dívidas e perda de escolaridade limitarão o crescimento global de médio prazo após 2021 a cerca de 3,5%, com uma perda cumulativa na produção de até 28 trilhões de dólares de 2020 a 2025 em comparação com os caminhos de crescimento pré-pandêmicos.