Mercado fechado

FMI teme 'contágio' de turbulências na Itália a economias 'mais frágeis'

(Arquivo) O ministro italiano das Finanças, Giovanni Tria

O Fundo Monetário Internacional (FMI) disse nesta quinta-feira (8) temer um "contágio" das turbulências financeiras na Itália a países europeus que tenham "fundamentos macroeconômicos mais frágeis".

Com os juros que os títulos soberanos italianos devem pagar em seu "nível mais alto em quatro anos", o FMI afirma que "as repercussões em outros mercados foram por ora relativamente limitadas".

Mas "um contágio provocado por futuras tensões poderia ser significativo, particularmente para as economias com fundamentos macroeconômicos mais frágeis", acrescenta o organismo internacional.

Também nesta quinta, o ministro italiano da Economia, Giovanni Tria, acusou a Comissão Europeia de calcular mal as previsões de déficit para a Itália.

"As previsões da Comissão Europeia sobre o déficit italiano são muito diferentes das do governo italiano, devido a uma análise parcial e não atenta do orçamento italiano, apesar dos dados e esclarecimentos oferecidos pela Itália", lamentou o ministro.

A "falha" da Comissão "afeta o diálogo construtivo que o governo italiano se empenhou em manter", garante Tria.

Em suas previsões de outono (hemisfério norte), o Executivo da UE estima que o déficit da Itália atingirá 2,9% de seu Produto Interno Bruto (PIB) no próximo ano, e 3,1%, em 2020, bem acima das previsões de Roma, que prevê 2,4% e 2,1%, respectivamente.