Mercado fechará em 6 h 11 min
  • BOVESPA

    107.160,09
    -1.291,11 (-1,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.442,21
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,00
    -0,15 (-0,18%)
     
  • OURO

    1.664,20
    -5,80 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    19.081,09
    -37,02 (-0,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    436,16
    -9,83 (-2,20%)
     
  • S&P500

    3.643,42
    -75,62 (-2,03%)
     
  • DOW JONES

    29.202,82
    -480,92 (-1,62%)
     
  • FTSE

    6.889,53
    -115,86 (-1,65%)
     
  • HANG SENG

    17.165,87
    -85,01 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    26.422,05
    +248,07 (+0,95%)
     
  • NASDAQ

    11.333,50
    -222,25 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2496
    +0,0170 (+0,32%)
     

FMI sobre projeção do PIB do Brasil para 5,3% em 2021

·1 min de leitura
Brazilian currency (Real) forming a flag of Brazil
Brazilian currency (Real) forming a flag of Brazil
  • FMI elevou previsão de crescimento do PIB de 2021

  • Projeção é de alta de 5,3%

  • Previsão é 1,6% porcentual maior do que o que foi divulgado em abril

Segundo estimativa do FMI (Fundo Monetário Internacional) divulgada em relatório nesta terça-feira (27), o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro deve subir 5,3% em 2021. A projeção é 1,6 ponto porcentual maior do que os 3,7% previstos no mês de abril. As informações são do Valor Econômico.

Leia também:

Em contrapartida, a previsão de crescimento para 2022 teve queda de 0,6 ponto porcentual, chegando a 1,9%.

As projeções são próximas às divulgadas pelo Banco Central na última segunda-feira (27). Segundo o Boletim Focus, o crescimento do PIB deve ser de 5,29 neste ano e de 2,1% no ano que vem.

Motivos

O que motivou essa melhora da avaliação foi o país ter tido resultados melhores do que o esperado no primeiro trimestre, além de alta do comércio exterior, segundo o FMI.

Para o economista-chefe do fundo, Gita Gopinath, o aumento dos preços das commodities e a retomada de parceiros comerciais como China e Estados Unidos beneficiaram o Brasil.