Mercado fechará em 3 h 25 min
  • BOVESPA

    129.642,12
    -565,84 (-0,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.949,64
    -79,90 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,76
    +0,88 (+1,24%)
     
  • OURO

    1.856,30
    -9,60 (-0,51%)
     
  • BTC-USD

    40.041,75
    -249,21 (-0,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    997,31
    -13,30 (-1,32%)
     
  • S&P500

    4.247,29
    -7,86 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.271,84
    -121,91 (-0,35%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.070,00
    -54,75 (-0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1639
    +0,0324 (+0,53%)
     

FMI reitera que irá analisar pedido argentino envolvendo sobretaxas

·1 minuto de leitura
A diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva

O Fundo Monetário Internacional (FMI) irá analisar o pedido da Argentina de reduzir ou eliminar as sobretaxas pela dívida milionária pendente do país, reiterou nesta quinta-feira o porta-voz da instituição.

Gerry Rice informou que a diretora-gerente do Fundo, Kristalina Georgieva, comprometeu-se a discutir a proposta com os membros da instituição, como anunciou na semana passada após se reunir em Roma com o presidente argentino, Alberto Férnandez.

O porta-voz comentou alguns pontos técnicos da política de sobretaxas. Ele ressaltou que uma eventual reforma não é uma decisão que possa ser tomada por Kristalina: "Qualquer revisão seria uma prerrogativa da nossa diretoria executiva, que representa os nossos membros."

Por outro lado, Rice destacou a importância das sobretaxas de juros, que dependem da quantidade e do tempo de vigência do crédito, assinalando que as mesmas possibilitam ao FMI "continuar oferecendo apoio financeiro com taxas acessíveis aos membros que necessitem. As sobretaxas são pagas apenas quando o crédito pendente de um país membro é grande e prolongado."

A Argentina, que recebeu 44 bilhões de dólares do Fundo dentro de um programa de 57 bilhões em três anos assinado em 2018, busca um novo acordo de crédito com a instituição multilateral, em meio a uma recessão profunda.

ad/mr/lb