Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.249,30
    -992,34 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.604,01
    -854,01 (-1,84%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,00
    +0,64 (+1,22%)
     
  • OURO

    1.839,80
    +9,90 (+0,54%)
     
  • BTC-USD

    36.684,48
    +242,75 (+0,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    724,42
    +9,23 (+1,29%)
     
  • S&P500

    3.803,46
    +35,21 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    30.974,79
    +160,53 (+0,52%)
     
  • FTSE

    6.712,95
    -7,70 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.642,28
    +779,51 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    28.633,46
    +391,25 (+1,39%)
     
  • NASDAQ

    12.985,25
    +183,00 (+1,43%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4832
    +0,0879 (+1,37%)
     

FMI reduz para 7,9% previsão de crescimento na China em 2021

·2 minuto de leitura
Logo do Fundo Monetário Internacional (FMI)

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu nesta sexta-feira (8) em 0,3 ponto sua previsão de crescimento para a China em 2021, para 7,9%, devido às consequências da pandemia de coronavírus que ainda afetam fortemente a demanda interna.

A China, onde o novo coronavírus apareceu no final de 2019, conseguiu praticamente erradicar a covid-19 no início do ano passado e deve ser a única grande economia com crescimento positivo em 2020.

O FMI espera que a China cresça 1,9% em 2020, previsão inalterada em relação ao prognóstico de outubro, embora continue sendo o pior número para a China desde 1976, antes do início da era das reformas econômicas.

"A economia chinesa continua se recuperando rapidamente da pandemia, graças aos grandes esforços para conter o vírus e às rápidas medidas políticas para mitigar o impacto da crise", observa o FMI.

"Mas o crescimento é desequilibrado, pois a recuperação depende em grande parte do setor público, enquanto o consumo privado está ficando para trás", aponta o Fundo, destacando que a pandemia "acrescentou muitas vulnerabilidades", especialmente a dívida, que enfraquece a economia.

Dessa forma, o déficit orçamentário deve aumentar para 18,2% do PIB em 2020, ante 12,6% em 2019, segundo o FMI.

A economia chinesa foi capaz de se recuperar e de "se adaptar" à pandemia, graças, em particular, ao comércio on-line e à forte demanda por produtos relacionados à própria covid-19 no exterior, mas a atividade deve permanecer "abaixo de sua capacidade a médio prazo", de acordo com o Fundo.

Alguns setores continuam sendo fortemente afetados, principalmente os de hotéis, restaurantes e lazer.

O FMI também alerta que medidas de distanciamento para prevenir a epidemia "continuarão a travar" a atividade do setor de serviços neste ano.

A paralisação da economia no início do ano passado pela epidemia fez o PIB da China despencar 6,8% no primeiro trimestre, antes de recuperar 3,2% no segundo, e 4,9%, no terceiro.

O valor oficial do PIB para 2020, juntamente com o do último trimestre, será anunciado em 18 de janeiro.

Em 2019, o gigante asiático registrou um crescimento de 6,1%, o menor em três décadas.

sbr/bar/oaa/pc/eg/mr/tt