Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    61.330,24
    +3.804,25 (+6,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

FMI reafirma 'plena confiança' em sua diretora-gerente Georgieva

·2 minuto de leitura
Kristalina Georgieva, diretora-gerente do FMI, em 17 de outubro de 2019 em Washington (AFP/Andrew CABALLERO-REYNOLDS)

O conselho de administração do Fundo Monetário Internacional (FMI) reafirmou na noite desta segunda-feira (11) sua "plena confiança" em Kristalina Georgieva, que assim permanece no cargo de diretora-gerente da entidade, apesar das acusações de irregularidades contra ela.

Os órgãos de controle da instituição com sede em Washington consideraram que as informações apresentadas durante a investigação não lhes permitiam atribuir "um papel impróprio" à economista búlgara.

Por sua vez, Georgieva aceitou imediatamente a decisão, afirmando que as acusações eram "infundadas".

A questão de se Georgieva, de 68 anos, permaneceria no comando do FMI, pipocava desde a publicação, em 16 de setembro, das conclusões de uma investigação do escritório de advocacia WilmerHale, conduzida a pedido do comitê de ética do Banco Mundial.

Nessa investigação, ela foi acusada de ter manipulado dados do relatório "Doing Business" para favorecer a China quando era diretora-geral do Banco Mundial.

Georgieva, diretora-gerente do FMI desde 1º de outubro de 2019, sempre negou os atos de que foi acusada.

Na noite desta segunda-feira, o Fundo disse que a decisão foi tomada após a oitava reunião do conselho sobre o assunto, "como parte do compromisso do conselho de conduzir uma revisão abrangente, objetiva e precisa".

"O Conselho concluiu que as informações apresentadas durante sua análise não demonstraram de forma conclusiva que a CEO desempenhou um papel inadequado em relação ao relatório 'Doing Business 2018', quando era CEO do Banco Mundial", diz o comunicado à imprensa.

“Depois de examinar todas as evidências apresentadas, o Conselho de Administração reafirma sua plena confiança na liderança e capacidade da diretora-gerente para continuar a exercer suas funções com eficácia", acrescenta o texto.

O Conselho declarou que está confiante "no compromisso de Georgieva" de "manter os mais altos padrões de governança e integridade no FMI".

"Confiança e integridade são os pilares das organizações multinacionais que servi fielmente por mais de quatro décadas", lembrou Georgieva, que revelou ter passado por "um episódio difícil a nível pessoal" e manifestou o seu "apoio inabalável à independência e integridade" das instituições.

Dt/roc/rsr/am

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos