Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,70
    -0,79 (-1,21%)
     
  • OURO

    1.867,10
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    41.086,25
    -3.820,38 (-8,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.143,68
    -109,47 (-8,74%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    27.978,66
    -428,18 (-1,51%)
     
  • NASDAQ

    13.176,50
    -35,50 (-0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4304
    +0,0003 (+0,00%)
     

FMI pretende distribuir reservas de SDR neste verão, diz autoridade do Fundo

David Lawder
·1 minuto de leitura
FMI pretende distribuir reservas de SDR neste verão, diz autoridade do Fundo

Por David Lawder

WASHINGTON (Reuters) - O Fundo Monetário Internacional (FMI) tem como meta distribuir uma alocação de 650 bilhões de dólares em reservas monetárias de Direitos Especiais de Saque (SDR, na sigla em inglês) aos países-membros neste verão, disse o vice-diretor-gerente do FMI, Geoffrey Okamoto, nesta segunda-feira.

Okamoto afirmou a repórteres após as reuniões de primavera do FMI e do Banco Mundial que a alocação, apoiada na semana passada pelos países do G20, ajudará especialmente os países de renda média que precisam refinanciar dívidas em meio a condições financeiras potencialmente mais restritivas.

"O objetivo seria fazer essa alocação em algum momento neste verão (do Hemisfério Norte). Espero que seja no início do verão", disse Okamoto, número 2 do FMI.

Ele acrescentou que o corpo técnico do FMI estava "bastante motivado" para preparar o plano de SDR para a aprovação pelo conselho da organização nos próximos meses.

Okamoto disse que os SDRs agiriam como "um seguro contra o aperto das condições financeiras" para os países de renda média, que enfrentam o maior volume de necessidades de refinanciamento da dívida no próximo ano.

O Fundo tem alertado que uma recuperação mais rápida pode levar a um aumento nas taxas de juros, o que pode causar saída de recursos em mercados emergentes, exacerbando os problemas de dívida relacionados à pandemia.