Mercado fechará em 5 h 52 min
  • BOVESPA

    100.552,44
    +12,44 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.669,25
    +467,45 (+1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,06
    +0,03 (+0,07%)
     
  • OURO

    1.908,40
    -21,10 (-1,09%)
     
  • BTC-USD

    12.883,22
    +1.826,21 (+16,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    259,96
    +15,07 (+6,16%)
     
  • S&P500

    3.435,56
    -7,56 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    28.210,82
    -97,98 (-0,35%)
     
  • FTSE

    5.763,48
    -13,02 (-0,23%)
     
  • HANG SENG

    24.786,13
    +31,71 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    23.474,27
    -92,73 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    11.675,00
    -16,25 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6199
    -0,0301 (-0,45%)
     

FMI pede reestruturação das dívidas de países mais pobres

·1 minuto de leitura
(Arquivo) A diretora do FMI, Kristalina Georgieva
(Arquivo) A diretora do FMI, Kristalina Georgieva

O Fundo Monetário Internacional (FMI) está alarmado com a incapacidade potencial de algumas economias emergentes de se recuperar do impacto do coronavírus e pediu a promoção de reformas para evitar uma crise da dívida em algumas das nações mais pobres. 

A diretora-gerente da entidade, Kristalina Georgieva, alertou para o risco de inadimplência soberana se as medidas temporárias de alívio da dívida que foram adotadas este ano promovidas pelo Banco Mundial e pelo G20 não forem prolongadas e se os contratos não forem revisados. 

"Nenhuma crise de dívida ocorreu graças a medidas políticas decisivas de bancos centrais, autoridades fiscais, credores bilaterais oficiais e instituições financeiras internacionais no início da pandemia", observou em um blog da instituição nesta quinta-feira com seus colegas Ceyla Pazarbasioglu e Rhoda Weeks-Brown. 

"Essas ações essenciais rapidamente se tornam insuficientes", resumiram. 

Georgieva pediu recentemente ao G20 que estendesse o congelamento de alguns pagamentos de empréstimos oficiais bilaterais para países pobres até 2021. 

"Os seus atuais beneficiários serão obrigados a recorrer a medidas de austeridade para retomar o serviço da dívida, agravando o sofrimento humano já causado pela crise”, ressaltaram. 

Eles indicaram ainda que essa extensão poderia estar relacionada aos programas do FMI e do Banco Mundial para reduzir a vulnerabilidade da dívida. 

O FMI promove "cláusulas que reduzem o pagamento da dívida ou suspendem automaticamente esses pagamentos, em caso de catástrofe natural e outros choques econômicos importantes". 

Os países devem melhorar a transparência de sua dívida para que os credores possam tomar decisões informadas. 

"Eles hesitarão em participar de reestruturações, a menos que conheçam as condições acordadas com outros credores", disse Georgieva. Os países devedores são convidados a buscar acordos com todos os seus credores, públicos e privados, "em condições semelhantes".

Dt/lo/bh/mr/lda/cc