Mercado fechará em 2 h 33 min
  • BOVESPA

    101.412,54
    +152,79 (+0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.360,03
    -347,69 (-0,90%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,51
    -1,34 (-3,36%)
     
  • OURO

    1.906,80
    +1,60 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    13.000,73
    -149,29 (-1,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    259,56
    -3,85 (-1,46%)
     
  • S&P500

    3.393,94
    -71,45 (-2,06%)
     
  • DOW JONES

    27.591,52
    -744,05 (-2,63%)
     
  • FTSE

    5.801,46
    -58,82 (-1,00%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.494,34
    -22,25 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    11.490,25
    -173,25 (-1,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6446
    -0,0193 (-0,29%)
     

FMI negocia novo acordo com Argentina a partir de novembro

·3 minutos de leitura
Julie Kozack (D), subdiretora do Departamento das Américas do FMI, e Luis Cubeddu (E), chefe da Missão para a Argentina, conversam com o ministro argentino da Economia, Martín Guzmán (C), em 14 de fevereiro de 2020, em Buenos Aires
Julie Kozack (D), subdiretora do Departamento das Américas do FMI, e Luis Cubeddu (E), chefe da Missão para a Argentina, conversam com o ministro argentino da Economia, Martín Guzmán (C), em 14 de fevereiro de 2020, em Buenos Aires

O Fundo Monetário Internacional (FMI) enviará outra missão para Buenos Aires, em novembro, com o objetivo de iniciar conversas sobre um novo programa de ajuda para a Argentina, país que enfrenta "desafios excepcionalmente difíceis sem soluções fáceis" - informou a instituição nesta segunda-feira (12).

Uma equipe do Fundo se reuniu com autoridades em Buenos Aires de 6 a 11 de outubro para discutir os desafios do país em meio à pandemia de coronavírus - incluindo a bilionária dívida contraída com a organização - e para "trocar opiniões sobre a melhor maneira de abordá-los", disse o FMI em um comunicado.

"A equipe planeja retornar para Buenos Aires em meados de novembro para iniciar as discussões sobre um novo programa apoiado pelo FMI", afirma a nota.

No início da missão na semana passada, a diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, disse que o organismo não chega à Argentina com a proposta de "ser parte de uma solução duradoura".

O FMI "não tem a intenção de pressionar a Argentina neste momento", declarou Georgieva à rede CNN.

"Temos muito claro nesta crise que é importante dar apoio às empresas e, o que é mais importante, aos trabalhadores", completou.

Com uma inflação de mais de 40% em ritmo anual e em recessão desde 2018, a Argentina também viu dispararem os índices de pobreza (40,9%) e de desemprego (13,1%), em meio à pandemia da covid-19. Segundo as projeções do FMI, seu PIB sofrerá uma contração de 9,9% em 2020.

- 'Sem solução fácil'

A vice-diretora do Departamento das Américas do FMI, Julie Kozack, e o chefe da Missão para a Argentina, Luis Cubeddu, destacaram o alcance da crise argentina em um comunicado conjunto.

"A Argentina enfrenta dificuldades econômicas e sociais complexas, no contexto de uma crise de saúde sem precedentes. A profunda recessão provocou um aumento dos já elevados níveis de pobreza e desemprego, cujos efeitos são agravados por pressões significativas no mercado cambial", disseram.

"Esses são desafios excepcionalmente difíceis, sem soluções fáceis. Um conjunto abrangente de políticas pode apoiar a restauração da confiança, mas deve ser devidamente calibrado para fomentar a recuperação econômica e garantir a estabilidade macroeconômica", observaram.

"Compartilhamos o compromisso das autoridades com políticas que garantam uma consolidação orçamental favorável ao crescimento e, ao mesmo tempo, protejam os mais vulneráveis, permitam uma redução gradual da inflação e estimulem a criação de emprego, o investimento e as exportações", indicaram.

Kozack e Cubeddu consideraram "produtivas" as reuniões com o governo Alberto Fernández, bem como com congressistas, membros do setor privado, sindicatos e representantes da sociedade civil.

A Argentina tem um acordo em vigor com o FMI de 57 bilhões de dólares desde 2018. Desse total, recebeu 44 bilhões de dólares em meio a uma crise cambial. Fernández se recusou a receber o restante do dinheiro quando assumiu o cargo em dezembro passado, enquanto buscava um acordo com credores privados para reestruturar dívidas de mais de 100 bilhões de dólares.

A relação com o FMI foi retomada em 2018, depois de ter sido congelada em 2006, após pagamento de sua dívida com a instituição.

Em discurso na Assembleia Geral da ONU, no mês passado, Fernández disse que as negociações com o Fundo serão abordadas, "com respeito aos compromissos assumidos, evitando, ao mesmo tempo, pôr em risco as condições que permitam a reativação econômica".

ad/mr/tt