Mercado abrirá em 7 h 50 min
  • BOVESPA

    129.264,96
    +859,61 (+0,67%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.315,69
    -3,88 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,63
    -0,03 (-0,04%)
     
  • OURO

    1.787,80
    +4,90 (+0,27%)
     
  • BTC-USD

    32.925,79
    -1.444,09 (-4,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    794,02
    -56,32 (-6,62%)
     
  • S&P500

    4.224,79
    +58,34 (+1,40%)
     
  • DOW JONES

    33.876,97
    +586,89 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.062,29
    +44,82 (+0,64%)
     
  • HANG SENG

    28.489,76
    +0,76 (+0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.885,14
    +874,21 (+3,12%)
     
  • NASDAQ

    14.145,50
    +15,50 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9748
    -0,0005 (-0,01%)
     

FMI iniciará negociação formal com a Argentina em 10 de novembro

·2 minuto de leitura
Julie Kozack (D), subdiretora do Departamento das Américas do FMI, e Luis Cubeddu (E), chefe da Missão para a Argentina, conversam com o ministro argentino da Economia, Martín Guzmán (C), em 14 de fevereiro de 2020, em Buenos Aires

Uma missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) chegará a Buenos Aires no próximo 10 de novembro para iniciar negociações formais com as autoridades argentinas, em busca de um novo programa de créditos para o país sul-americano, anunciou nesta sexta-feira (6) um porta-voz do órgão multilateral.

A missão composta por Julie Kozack e Luis Cubeddu, à qual deve se juntar o representante do FMI residente na Argentina Trevor Alleyne, analisará com as autoridades argentinas a forma de implementar um novo programa que substitua o acordo stand-by assinado em 2018 por cerca de 57 bilhões de dólares.

"O diálogo focará na agenda fiscal, monetária e estrutural das autoridades para o médio prazo, com o objetivo de ancorar a estabilidade macroeconômica e lançar as bases para um crescimento inclusivo e sustentável. Não há datas estabelecidas para finalizar as negociações", disse o porta-voz.

Esta será a segunda visita da missão, depois de uma exploratória realizada no início de outubro.

Do crédito acordado em 2018, a Argentina recebeu apenas cerca de 44 bilhões de dólares, porque o presidente de centro-esquerda Alberto Fernández renunciou às parcelas pendentes ao assumir em dezembro de 2019.

"O nosso objetivo continua sendo apoiar o povo argentino para superar os complexos desafios socioeconômicos que enfrenta e estabelecer as bases para uma economia mais estável e um futuro mais próspero", disse o porta-voz do FMI nesta sexta-feira.

O FMI projeta para este ano uma queda de 11,8% da economia argentina, que enfrenta seu terceiro ano de recessão.

Com uma inflação de mais de 40% anual, a Argentina viu disparar também os índices de pobreza (40,9%) e de desemprego em meio à pandemia de covid-19.

O governo prevê para 2021 um deficit fiscal de 4,5%.

nn/gma/aa/cc

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos