Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.788,10
    -23,10 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    17.137,13
    +412,33 (+2,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

FMI iniciará negociação formal com a Argentina em 10 de novembro

·2 minuto de leitura
Julie Kozack (D), subdiretora do Departamento das Américas do FMI, e Luis Cubeddu (E), chefe da Missão para a Argentina, conversam com o ministro argentino da Economia, Martín Guzmán (C), em 14 de fevereiro de 2020, em Buenos Aires
Julie Kozack (D), subdiretora do Departamento das Américas do FMI, e Luis Cubeddu (E), chefe da Missão para a Argentina, conversam com o ministro argentino da Economia, Martín Guzmán (C), em 14 de fevereiro de 2020, em Buenos Aires

Uma missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) chegará a Buenos Aires no próximo 10 de novembro para iniciar negociações formais com as autoridades argentinas, em busca de um novo programa de créditos para o país sul-americano, anunciou nesta sexta-feira (6) um porta-voz do órgão multilateral.

A missão composta por Julie Kozack e Luis Cubeddu, à qual deve se juntar o representante do FMI residente na Argentina Trevor Alleyne, analisará com as autoridades argentinas a forma de implementar um novo programa que substitua o acordo stand-by assinado em 2018 por cerca de 57 bilhões de dólares.

"O diálogo focará na agenda fiscal, monetária e estrutural das autoridades para o médio prazo, com o objetivo de ancorar a estabilidade macroeconômica e lançar as bases para um crescimento inclusivo e sustentável. Não há datas estabelecidas para finalizar as negociações", disse o porta-voz.

Esta será a segunda visita da missão, depois de uma exploratória realizada no início de outubro.

Do crédito acordado em 2018, a Argentina recebeu apenas cerca de 44 bilhões de dólares, porque o presidente de centro-esquerda Alberto Fernández renunciou às parcelas pendentes ao assumir em dezembro de 2019.

"O nosso objetivo continua sendo apoiar o povo argentino para superar os complexos desafios socioeconômicos que enfrenta e estabelecer as bases para uma economia mais estável e um futuro mais próspero", disse o porta-voz do FMI nesta sexta-feira.

O FMI projeta para este ano uma queda de 11,8% da economia argentina, que enfrenta seu terceiro ano de recessão.

Com uma inflação de mais de 40% anual, a Argentina viu disparar também os índices de pobreza (40,9%) e de desemprego em meio à pandemia de covid-19.

O governo prevê para 2021 um deficit fiscal de 4,5%.

nn/gma/aa/cc