Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,10 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,43 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.982,80
    -327,57 (-0,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,35 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,00 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,30 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,06 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

FMI diz que mais gastos com vacinas é maneira mais rápida de fortalecer finanças públicas

David Lawder
·1 minuto de leitura
FMI diz que mais gastos com vacinas é maneira mais rápida de fortalecer finanças públicas

Por David Lawder

WASHINGTON (Reuters) - A pandemia de Covid-19 continuará aumentando a dívida pública global em 2021, mas gastar mais dinheiro para acelerar as vacinações é a maneira mais rápida de começar a normalizar as finanças dos governos, disse o Fundo Monetário Internacional nesta quarta-feira.

O FMI disse em seu relatório Monitor Fiscal de 2021 que, se vacinações globais mais rápidas controlarem o vírus mais cedo, mais de 1 trilhão de dólares em receitas fiscais globais adicionais podem ser arrecadados até 2025 nas economias avançadas.

Se o mesmo cenário de alta nas previsões econômicas do Fundo se concretizar, a produção do PIB global pode aumentar em 9 trilhões de dólares durante o mesmo período, à medida que o comércio reabre e contrata mais rapidamente, disse o FMI.

"A vacinação, portanto, paga a si mesma, proporcionando uma excelente valia para o dinheiro público investido no aumento da produção e distribuição global de vacinas", disse o FMI no relatório.

A dívida pública média mundial deve atingir um recorde de 99% do PIB em 2021 e se estabilizar nesse nível depois de aumentar ligeiramente de 97% em 2020. Para as economias avançadas, a dívida atingirá um pico de 122,5% em 2021, contra 120,1% do ano anterior.

(Reportagem de David Lawder)

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5047 2838))

REUTERS PVB CMO