Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,37
    -0,09 (-0,14%)
     
  • OURO

    1.764,70
    -2,10 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    63.229,49
    +337,39 (+0,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.397,85
    +16,90 (+1,22%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    6.983,50
    +43,92 (+0,63%)
     
  • HANG SENG

    28.793,14
    -107,69 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    29.642,69
    +21,70 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    14.013,00
    -1,00 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7187
    -0,0024 (-0,04%)
     

FMI diz que investimento em vacinas 'será pago por si só' graças ao impulso ao crescimento

·2 minuto de leitura
Profissional da saúde aplica dose da vacina chinesa CoronaVac contra a covid-19, em Santiago, Chile

O gasto público para acelerar as campanhas de vacinação com o objetivo de acabar com a pandemia de covid-19 vai gerar lucros e estimular o crescimento, estimou o Fundo Monetário Internacional (FMI) nesta quarta-feira (7).

"A vacinação será paga por si só, fornecendo um excelente valor ao dinheiro investido na produção global de vacinas e sua distribuição", disse o FMI em seu relatório "Monitor Fiscal", sobre o estado das finanças públicas, divulgado em meio às reuniões semestrais que acontecem nesta semana virtualmente.

Os economistas calculam que se a pandemia for controlada antes do esperado - o que implica a maioria dos países ter um acesso amplo à vacina até o início de 2022 - isso vai gerar um "crescimento econômico mais forte" e mais de um trilhão de dólares em receitas fiscais para as economias avançadas até 2025.

Nesta semana o FMI melhorou suas perspectivas para a economia global, ao projetar um crescimento de 6% para este ano, após a contração de 3,3% em 2020, que marcou a pior queda do PIB em tempos de paz em um século.

Para a América Latina, o Fundo prevê um crescimento de 4,6%, mas alertou que a expansão a longo prazo depende da evolução da pandemia.

O FMI destacou também as respostas rápidas implementadas pelos governos para tentar conter o prejuízo à economia, que somam cerca de 16 trilhões de dólares.

No entanto, alertou que acabar com a crise de saúde ainda é crucial para que a recuperação seja sólida e afirmou que a distribuição de vacinas para os países pobres foi "muito injusta".

No relatório, a instituição destacou a necessidade de uma continuidade do gasto público, mas alertou que os crescentes níveis da dívida fazem com que seja fundamental que as autoridades políticas direcionem bem os auxílios.

O Fundo também reiterou sua sugestão de que os países usem impostos para os mais ricos para financiar seus programas.

"Para ajudar a satisfazer as necessidades de financiamento, as autoridades de políticas públicas poderiam considerar contribuições temporárias para a covid-19, aplicadas para as rendas mais altas ou à riqueza", afirmou.

O FMI também indicou que é preciso uma "reforma fiscal em nível doméstico e internacional" para gerar os recursos necessários para melhorar o acesso aos serviços básicos, além de reforçar as redes de segurança e os objetivos de desenvolvimento.

A economista-chefe do FMI Gita Gopinat afirmou que é "muito a favor de um imposto mínimo global à renda empresarial", devido à "grande quantidade" de evasão fiscal e de dinheiro transferido para paraísos fiscais.

hs-an/gma/aa