Mercado fechado

FMI: saiba como funciona o Fundo Monetário Internacional

O FMI busca promover a cooperação monetária internacional (Getty Images)

O Fundo Monetário Internacional (FMI) é uma organização internacional criada em 1945, pela Conferência de Bretton Woods, nos Estados Unidos. Sua constituição se deu logo após a 2º Guerra Mundial e tinha por objetivo levantar as economias que foram abaladas pela guerra. Sua sede encontra-se atualmente na cidade de Nova York.

SIGA O YAHOO FINANÇAS NO INSTAGRAM

Para que serve o fundo

Os objetivos atuais do FMI não fogem muito dos da época em que foi criado, sendo: promover a cooperação monetária internacional, promover a estabilidade do câmbio, promover o desenvolvimento e expansão do comércio e oferecer ajuda financeira aos países membros.

No entanto, a função principal do FMI é acompanhar a política econômica dos países membros. Assim, constantemente a instituição faz recomendações aos seus integrantes. Além disso, o órgão desenvolve pesquisas, promovendo levantamentos estatísticos e divulgando previsões econômicas, tanto no contexto global, quanto no âmbito nacional de cada país.

Leia também

FMI faz imposições aos países que pedem recursos

O FMI também é o órgão que supervisiona a dívida externa que é o débito de todas as captações feitas por um país no exterior. Estes empréstimos e financiamentos podem ser adquiridos tanto pelos governos como por empresas estatais e privadas.

Quando um país encontra-se em dificuldades econômicas ou necessita de recursos para adotar algum tipo de política estrutural, ele pode recorrer ao FMI e requisitar um empréstimo. Ao fazê-lo, geralmente, o país deverá adotar uma série de ações recomendada pelo fundo monetário, quase sempre relacionadas a redução dos gastos públicos.

Estados Unidos são o maiores contribuidores

Atualmente, 188 países são aliados da organização e cada uma das nações é responsável por enviar um montante financeiro para a manutenção do fundo. Esse valor varia de acordo com os indicadores econômicos de cada país, ou seja, quanto maior e mais forte for a economia de um país maior será sua contribuição.

Apesar de todos os países possuírem direito a voto, quanto maior o montante doado para a reserva financeira, maior será a sua influência dentro do FMI. Esta influência é o peso do voto que o país possui na hora das decisões tomadas pelo fundo. Os Estados Unidos hoje é o maior contribuinte, com 17,08% de peso no voto.