Mercado abrirá em 9 h 37 min
  • BOVESPA

    116.134,46
    +6.097,67 (+5,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.429,75
    +802,95 (+1,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,68
    +0,05 (+0,06%)
     
  • OURO

    1.705,10
    +3,10 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    19.578,73
    +395,05 (+2,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    445,20
    +9,85 (+2,26%)
     
  • S&P500

    3.678,43
    +92,81 (+2,59%)
     
  • DOW JONES

    29.490,89
    +765,38 (+2,66%)
     
  • FTSE

    6.908,76
    +14,95 (+0,22%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.840,75
    +624,96 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    11.367,50
    +81,75 (+0,72%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0761
    +0,0022 (+0,04%)
     

FMI apoia liberação de US$4 bi para Argentina e elogia medidas "decisivas"

Manifestantes contrários ao FMI protestam nas ruas de Buenos Aires, na Argentina

BUENOS AIRES (Reuters) - O Fundo Monetário Internacional (FMI) chegou a um acordo a nível técnico sobre uma ferramenta de financiamento estendido de 44 bilhões de dólares para a Argentina, que deve liberar quase 4 bilhões de dólares em fundos para o país, disse o credor nesta segunda-feira.

A aprovação, que precisa ser ratificada pela diretoria do FMI, liberaria 3,9 bilhões de dólares para o país sul-americano em apuros, que busca reconstruir reservas e conter a inflação galopante.

A Argentina, um grande produtor de grãos, fechou um novo acordo com o FMI mais cedo neste ano para substituir um enorme programa fracassado de 2018. O novo programa foi fundamental para poder cobrir as obrigações do país para com o FMI, que, de outra forma, a Argentina não conseguiria pagar.

Esse acordo veio com metas econômicas, incluindo a reconstrução das reservas internacionais esgotadas e a redução de um déficit fiscal primário profundo para melhorar as finanças do país.

"A maioria das metas do programa quantitativo revisado até o final de junho de 2022 foi cumprida, com exceção do piso das reservas internacionais líquidas, principalmente devido ao crescimento acima do programado do volume de importações", disse o FMI em comunicado.

"Um período subsequente de volatilidade nos mercados de câmbio e títulos foi interrompido após medidas decisivas para corrigir retrocessos anteriores e reconstruir a credibilidade."

O FMI elogiou as medidas do ministro da Economia da Argentina, Sergio Massa, que assumiu o cargo em agosto após um período volátil em que o ex-ministro Martin Guzmán deixou o posto e sua substituta Silvina Batakis durou apenas algumas semanas na chefia da pasta.

(Reportagem de Adam Jourdan)