Mercado abrirá em 9 h 39 min
  • BOVESPA

    110.334,83
    +299,66 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.784,58
    +191,67 (+0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,72
    -0,92 (-1,52%)
     
  • OURO

    1.708,80
    -14,20 (-0,82%)
     
  • BTC-USD

    49.206,98
    +2.762,32 (+5,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    985,99
    +57,75 (+6,22%)
     
  • S&P500

    3.901,82
    +90,67 (+2,38%)
     
  • DOW JONES

    31.535,51
    +603,14 (+1,95%)
     
  • FTSE

    6.588,53
    +105,10 (+1,62%)
     
  • HANG SENG

    29.292,03
    -160,54 (-0,55%)
     
  • NIKKEI

    29.554,75
    -108,75 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    13.243,50
    -36,25 (-0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7820
    -0,0136 (-0,20%)
     

FMI alerta que surto de covid-19 no Peru 'desacelerará' recuperação econômica

·1 minuto de leitura
Familiares de doentes esperam na fila para conseguir oxigênio em Callao, no Peru, 29 de janeiro de 2021

O Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou nesta sexta-feira (12) que a segunda onda da pandemia que atinge o Peru "provavelmente desacelerará a recuperação econômica" e cortou em 0,5 ponto percentual, para 8,5%, a previsão de crescimento divulgada esta semana para este ano.

Em seu relatório periódico sobre o Peru, previsto no artigo 5º do estatuto da entidade para seus membros, o FMI previu que a economia do país crescerá 8,5% neste ano, após uma forte contração de 11,4% em 2020.

Na segunda-feira, ao atualizar suas projeções para a América Latina, a agência previa expansão de 9% neste ano, com base nos dados coletados em janeiro, que técnicos do FMI ajustaram para baixo nesta sexta-feira.

"A crise está causando danos consideráveis e a produção provavelmente retornará aos níveis anteriores à pandemia em 2022", observou o FMI em um alerta de que "a perspectiva é altamente incerta e os riscos de contração prevalecem".

O Peru, onde muitas regiões estão atualmente bloqueadas, tem mais de 1,2 milhão de casos confirmados e mais de 42.000 mortes por covid-19.

O FMI destacou que se a situação de emergência for controlada até o final de março, as restrições poderão ser afrouxadas novamente no segundo trimestre e a atividade econômica poderá recuperar o dinamismo.

A agência destacou ainda que esta segunda onda pode ser mais aguda e prolongada, devido à persistente fragilidade do sistema de saúde e aos atrasos nos planos de vacinação.

Em suas recomendações, o FMI observou que o aumento dos riscos à saúde exige políticas macroeconômicas de apoio e que, na ausência de pressões inflacionárias, as condições monetárias devem permanecer expansionistas.

an/mls/am