Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.922,89
    -1.058,64 (-1,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.925,61
    -580,09 (-1,10%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,29
    -0,35 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.984,90
    +2,10 (+0,11%)
     
  • Bitcoin USD

    27.820,29
    -49,94 (-0,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    603,13
    +3,46 (+0,58%)
     
  • S&P500

    3.951,57
    +34,93 (+0,89%)
     
  • DOW JONES

    32.244,58
    +382,60 (+1,20%)
     
  • FTSE

    7.403,85
    +68,45 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    19.118,87
    +118,16 (+0,62%)
     
  • NIKKEI

    26.945,67
    -388,12 (-1,42%)
     
  • NASDAQ

    12.684,50
    -4,00 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6207
    -0,0017 (-0,03%)
     

Fluxos para mercados emergentes seguiram fortes em fevereiro, mas cautela se instala, aponta IIF

Notas de dólares

Por Rodrigo Campos

NOVA YORK (Reuters) - Investidores estrangeiros colocaram mais dinheiro em carteiras de mercados emergentes em fevereiro, embora os fluxos de entrada tenham sido muito menores do que em janeiro, diante da perspectiva de juros mais altos nos Estados Unidos e na Europa, informou o Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês) nesta quinta-feira.

Fevereiro registrou a entrada de 17,9 bilhões de dólares em títulos de dívida e de 4,9 bilhões de dólares em ações, segundo dados do IIF. As entradas líquidas combinadas de 22,9 bilhões de dólares se comparam a 66 bilhões de dólares em janeiro.

Os fluxos tiveram dois momentos distintos no período, com a primeira parte do mês ainda se beneficiando de novas dívidas que se seguiram à emissão recorde em janeiro, enquanto a inflação e preocupações com juros mais altos voltaram a predominar na segunda quinzena de fevereiro, disse o IIF.

"No futuro próximo, vemos uma queda no nível de fluxos de entrada como resultado de um mercado mais cauteloso, dada a postura monetária ainda agressiva do (Federal Reserve e Banco Central Europeu)", afirmou o economista do IIF Jonathan Fortun em um comunicado.

"A incerteza sobre a política monetária pode aumentar a demanda por proteção do dólar, já que a relação entre moedas de mercados emergentes e a volatilidade da taxa de juros dos EUA continua a se fortalecer."

O chair do Fed, Jerome Powell, trouxe de volta esta semana a possibilidade de uma taxa básica mais alta e incrementos mais rápidos, embora tenha dito que os novos dados econômicos antes de uma decisão de 22 de março serão determinantes. O principal relatório de emprego dos EUA para fevereiro está previsto para ser divulgado na sexta-feira.

Os títulos de dívida na China registraram uma saída de 0,7 bilhão de dólares, enquanto os fluxos para ações chinesas ficaram em 2,4 bilhões de dólares. A dívida chinesa registrou saídas em 11 dos últimos 13 meses, mostram os dados.

Regionalmente, a Ásia e a América Latina registraram as maiores entradas no mês passado, com 11,8 bilhões de dólares e 7,3 bilhões de dólares, respectivamente.