Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.629,70
    -53,85 (-0,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,21
    -0,06 (-0,11%)
     
  • OURO

    1.852,90
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.781,97
    +334,72 (+1,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    680,28
    +3,38 (+0,50%)
     
  • S&P500

    3.830,31
    -11,16 (-0,29%)
     
  • DOW JONES

    30.802,13
    -194,85 (-0,63%)
     
  • FTSE

    6.633,64
    -61,43 (-0,92%)
     
  • HANG SENG

    30.159,01
    +711,16 (+2,41%)
     
  • NIKKEI

    28.822,29
    +190,84 (+0,67%)
     
  • NASDAQ

    13.348,00
    -13,50 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7075
    +0,0555 (+0,83%)
     

Fluxo comprador volta e índice beira os 124 mil pontos

Aluisio Alves
·2 minuto de leitura
Sede da B3

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - O fluxo externo voltou a prevalecer na B3 nesta terça-feira, com investidores escolhendo ações vistas como ainda baratas, fazendo o Ibovespa se recuperar parcialmente das perdas da véspera.

Fortalecido principalmente por ações ligadas ao mercado doméstico, o principal índice acionário brasileiro fechou em alta de 0,6%, aos 123.998,00 pontos. O giro financeiro da sessão somou 33,6 bilhões de reais.

Depois de o Ibovespa ter caído 1,46% na véspera, num dia de realização de lucros na sequência de dois recordes seguidos, profissionais dos mercado citaram a predominância das apostas mais positivas para o médio prazo, diante da leitura de que políticas monetárias frouxas pelo mundo seguirão pautando a migração de recursos para ativos de maior risco.

Nesse sentido, a B3 divulgou nesta terça-feira que o fluxo de recursos de não residentes para a bolsa paulista só nas primeiras cinco sessões de 2021 foi de 10,7 bilhões de reais.

Isso, a despeito da preocupação com possíveis novos revezes econômicos com novas medidas de isolamento social para conter a pandemia da Covid-19 e dos riscos fiscais e inflacionários no Brasil. Pela manhã, o IBGE divulgou que o IPCA de dezembro subiu 1,35%, para 4,52% em 2020, acima das previsões do mercado.

Apesar da preocupação diante do avanço da Covid-19 em várias partes do globo, o investidor se mantém otimista diante do desenvolvimento de vacinas e da iminência de novos estímulos fiscais nos EUA", afirmou a SulAmérica em nota a clientes.

DESTAQUES

- EMBRAER subiu 7,9%, liderando os ganhos do índice, numa sessão positiva para o setor aéreo.

- GOL ganhou 3,94%, enquanto AZUL evoluiu 3,5%. Ambas tiveram o preço-alvo de suas ADRs elevado nesta terça-feira pelo Deutsche Bank.

- HAPVIDA perdeu 2,64%, numa pausa após ter escalado mais de 27% nas últimas duas sessões na sequência do anúncio dos planos de fusão com a rival NOTRE DAME INTERMÉDICA, que recuou 2,74%, após disparada de 40% desde sexta-feira.

- COPEL cedeu 3,23%, estendendo perdas da véspera diante de crescentes temores com a governança, após a companhia ter anunciado na sexta-feira que avaliará distribuir dividendos extraordinários após um pedido do controlador, o governo do Paraná, de proventos "no maior valor possível" em 2021.

- PETROBRAS caiu 0,75%, mesmo diante da alta do petróleo no exterior, com investidores preferindo vender o papel para embolsar ganhos recentes e comprar papéis de outros setores considerados mais 'atrasados'. Desde o início de novembro até a última sexta-feira, a ação já subiu 64%.

- VALE teve o mesmo destino, caindo 2,74%, após ter escalado 68% desde o começo de novembro. O movimento também atingiu outras empresas de metais, incluindo USIMINAS e GERDAU, com quedas de 1,4% e 2,76%, respectivamente.

Para ver as maiores baixas do Ibovespa, clique em

Para ver as maiores altas do Ibovespa, clique em

(Edição Alberto Alerigi Jr.)