Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,48 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,98 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,43
    -4,06 (-4,86%)
     
  • OURO

    1.651,70
    -29,40 (-1,75%)
     
  • BTC-USD

    18.918,40
    -431,87 (-2,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    434,61
    -9,92 (-2,23%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,27 (-1,62%)
     
  • FTSE

    7.018,60
    -140,92 (-1,97%)
     
  • HANG SENG

    17.933,27
    -214,68 (-1,18%)
     
  • NIKKEI

    27.153,83
    -159,30 (-0,58%)
     
  • NASDAQ

    11.388,00
    -177,50 (-1,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0976
    +0,0649 (+1,29%)
     

Fluxo de capital externo para bolsa brasileira melhora, mas há duvidas sobre manutenção

B3

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - Agosto termina com recuperação do fluxo de capital externo para a bolsa paulista, que pode assegurar o melhor desempenho mensal do Ibovespa desde o fim de 2020, mas não está claro se o ritmo dessas entradas se manterá diante de incertezas externas, em particular eventos relacionados a Estados Unidos e China.

A corrida presidencial no Brasil, contudo, parece não ser fator de preocupação para o movimento desses recursos em um primeiro momento, com investidores externos mais curiosos do que aflitos sobre o processo eleitoral, e o seu desfecho pode até favorecer a entrada de recursos mais adiante.

As compras realizadas por estrangeiros no mercado secundário de ações superaram as vendas em 17,95 bilhões de reais em agosto até dia 26, segundo dados da B3. No mesmo período, o Ibovespa subiu 8,85%. Os estrangeiros respondiam por 51,8% dos negócios na bolsa.

"Não acho que consegue manter o ritmo", afirmou David Beker, chefe de economia para Brasil e estratégia para América Latina do Bank of America, argumentando que revisões positivas para o país, principalmente sobre crescimento, além de fortes resultados corporativos no segundo trimestre já estão no preço.

Além disso, Beker disse não observar uma mudança da visão para mercados emergentes que aponte manutenção dessa entrada na bolsa brasileira, devido a incertezas principalmente ligadas ao ciclo de alta de juros nos EUA e à atividade econômica na China.

Declarações recentes do chair do banco central norte-americano foram entendidas pelo mercado como sinal de que o Fed está disposto a sacrificar o crescimento da economia para controlar a inflação. Ao mesmo tempo, na China, restrições contra a Covid-19 têm alimentando temores de desaquecimento, e há também preocupações com o setor imobiliário.

Na visão do economista, a menos que o mercado fique tranquilo com o Federal Reserve e comece a avaliar que o pior na China ficou para trás, "é complicado imaginar" que o fluxo de estrangeiro no curto prazo continuará forte.

O movimento de agosto compara-se com saldos negativos de abril (-7,7 bilhões de reais) e maio (-6,2 bilhões de reais) e os superávits de 427 milhões e 1,85 bilhão de reais em junho e julho. Mas ainda está abaixo dos desempenho do primeiro trimestre do ano, de mais de 20 bilhões de reais por mês.

Para César Mikail, gestor de renda variável da Western Asset, "ceteris paribus" (tudo mais constante), o fluxo deveria continuar, citando entre outros fatores o 'valuation' da bolsa brasileira, que continua bastante descontado por diferentes métricas.

Ele ressaltou que o Brasil já fez a lição de casa nos juros, e que logo a discussão será quando a Selic vai começar a cair. E acrescentou o efeito de realocação de outros emergentes sem notícias tão boas, como a própria China.

Mikail destacou, porém, que caso haja um aumento expressivo de volatilidade nos mercados no exterior o Brasil não ficará isento. "Se o Fed subir o juro e ficar por mais tempo em patamar mais alto, impacta todo mundo", exemplificou.

Nur Cristiani, chefe de estratégia de investimento para América Latina no JPMorgan Private Bank, disse que a volatilidade no mercado brasileiro pode ser catalisada também pelas eleições.

Mas ela chamou a atenção para os recentes números da inflação e as declarações do Banco Central sobre o provável fim do ciclo de alta de juros país. E isso, segundo ela, diferencia o Brasil de outros BCs, como o Fed, onde as dúvidas ainda são se a próxima alta será de 0,50 ponto ou 0,75 ponto percentual.

"Investidores que antecipam o início do corte de juros (no Brasil) em algum momento de 2023 veem os 'valuations' atuais como uma oportunidade que não pode ser desperdiçada. Concordamos com a visão", afirmou, destacando que o Brasil é o mercado preferido do sua equipe na América Latina.

ELEIÇÃO

Apesar da expectativa de um mercado mais volátil conforme se aproxima o desfecho da disputa presidencial, a análise é de que a eleição, por ora, não deve afetar negativamente o fluxo de estrangeiros para as ações.

"Eles não estão necessariamente preocupados, mas buscando entender o que está acontecendo", afirmou a estrategista de ações para Brasil do Santander, Aline Cardoso, acrescentando que o tema tem dominado as reuniões com clientes estrangeiros.

Uma das razões dessa relativa tranquilidade é o fato de os dois candidatos que lideram as pesquisas serem conhecidos --Luiz Inácio Lula da Silva (PT), na frente das intenções de voto e que foi presidente de 2003 a 2010, e do presidente Jair Bolsonaro (PL), que aparece em segundo.

"Na média, o investidor estrangeiro não está preocupado com a eleição no Brasil", reforçou Beker, do BofA. Segundo ele, há dúvidas sobre as políticas econômicas, mas a incerteza não é tão grande como em outras eleições na América Latina, em que venceram candidatos desconhecidos por esses investidores.

O estrategista não descarta um aumento de volatilidade mais perto da votação e vê chance até de ocorrer uma melhora do fluxo após a eleição, dependendo das políticas de quem sair vitorioso e cenário externo.

"O que se ouve de investidor de portfólio e corporativo é que as pessoas querem ter uma convicção maior do que vai acontecer adiante. Então num período pós-eleitoral pode ocorrer uma descompressão de risco...e é possível que se observe mais fluxo uma vez que esse fator de incerteza ficou para trás."