Mercado fechará em 2 h 36 min
  • BOVESPA

    104.915,71
    +449,47 (+0,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.175,07
    +247,69 (+0,49%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,06
    +1,56 (+2,35%)
     
  • OURO

    1.775,50
    +12,80 (+0,73%)
     
  • BTC-USD

    55.414,07
    -949,24 (-1,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.405,99
    -35,77 (-2,48%)
     
  • S&P500

    4.533,87
    -43,23 (-0,94%)
     
  • DOW JONES

    34.514,00
    -125,79 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.112,29
    -16,92 (-0,24%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.674,75
    -313,75 (-1,96%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3834
    +0,0032 (+0,05%)
     

Fluminense teve prejuízo três vezes maior em primeiro jogo com torcida no Maracanã

·2 min de leitura


Depois de meses sem público, o Fluminense reencontrou a torcida no último dia 6 de outubro, quando perdeu para o Fortaleza por 2 a 0 no Maracanã. Além do resultado ruim, os cofres do tricolor também sofreram. Nesta segunda-feira, a CBF divulgou o borderô da partida e o clube amargou um prejuízo de R$ 610.638,62, algo que já era esperado com a presença de apenas 3.187 pessoas.

A receita da partida foi de R$ 99.632,50, mas o alto custo operacional do estádio, que ficou na casa dos R$ 710.271,12, deixou o Tricolor no prejuízo. Dentro desse valor estão o aluguel do Maracanã, venda de ingressos, testes de Covid-19, entre outros.

Veja a tabela do Brasileirão

O Flu já fez outra partida com público sendo mandante, mas o boletim financeiro ainda não foi divulgado. Para se ter ideia, diante do Red Bull Bragantino, a despesa ficou em R$ 208.346,97, que tem sido mais ou menos o valor gasto em partidas no Maracanã.

Para reduzir os custos, o Flu já havia optado por vender apenas 20 mil ingressos para a partida. Em entrevista coletiva no dia 1º de outubro, o presidente Mário Bittencourt afirmou que o cálculo interno era que seria preciso comercializar pelo menos 10 mil bilhetes para cobrir os gastos de abrir os setores Sul, Leste e Oeste, além dos protocolos pedidos pela Prefeitura.

- Fizemos uma conta e vimos que teríamos um público muito pequeno, aumentando a capacidade de prejuízo e restringindo a capacidade de o público retornar. Essa operação é muito custosa para o clube. O número ideal para não ter prejuízo seria 10 mil, mas aumentamos para 20 mil. Dependendo do público teremos dificuldade de pagar essa conta, mas não estamos pensando nisso agora. O objetivo é ver o torcedor voltar ao estádio - disse.

Até o momento, o Fluminense soma mais de R$ 5.096.725,86 de prejuízo na atual temporada. As únicas partidas que não foram contabilizadas são das oitavas e quartas de final da Libertadores, contra Cerro Porteño e Barcelona de Guayaquil, pois os números não estão disponíveis, além do duelo com o Atlético-GO, ainda não divulgado pela CBF. Na divisão entre as competições são R$ 1.443.454,83 no Carioca, R$ 638.193,05 na Copa do Brasil, R$ 2.524.874,77 até o momento no Brasileirão e R$ 490.203,21 na fase de grupos da competição continental.

No próximo sábado, o Tricolor volta a reencontrar a torcida, desta vez para o clássico com o Flamengo. Esta, inclusive, será a primeira vez que uma rodada poderá contar com público mandante e visitante. O confronto é às 19h, no Maracanã.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos