Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.762,80
    +233,83 (+0,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,85
    -0,82 (-1,31%)
     
  • OURO

    1.792,40
    +14,00 (+0,79%)
     
  • BTC-USD

    55.795,46
    +496,40 (+0,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.287,46
    +24,50 (+1,94%)
     
  • S&P500

    4.160,01
    +25,07 (+0,61%)
     
  • DOW JONES

    34.054,21
    +232,91 (+0,69%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.839,00
    +44,75 (+0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7007
    -0,0018 (-0,03%)
     

Fleury tem alta de quase 150% no lucro no 4º tri, com impulso de testes de Covid-19

Aluisio Alves
·1 minuto de leitura

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - O Fleury teve um salto no lucro do quarto trimestre, com o salto na procura por testes de Covid-19 e a retomada por exames e atendimentos após a flexibilização no isolamento social impulsionando receitas do grupo de dignósticos médicos.

A companhia anunciou nesta quinta-feira que seu lucro líquido de outubro a dezembro somou 139,5 milhões de reais, um salto de 148,7% na comparação anual. Em bases recorrentes, o lucro saltou de 56 milhões para 155,5 milhões de reais no período.

A receita líquida do Fleury somou 928,2 milhões de reais no trimestre, um aumento de 28,9%, com os exames de Covid-19, representando 11,1% na receita bruta e as operações em hospitais apresentaram aumento de 38,8% no faturamento.

Além disso, a gradual flexibilização das medidas de isolamento social permitiu a retomada de atendimentos e de exames de rotina, que tiveram altas ano a ano de 17,6% e 12,2%, respectivamente.

Com isso, o resultado operacional medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda) somou 298,1 milhões de reais, alta de 52,8% sobre um ano antes, com margem de 32,1%, alta de 5 pontos percentuais.