Mercado abrirá em 4 h 24 min
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,54
    +0,63 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.858,60
    -21,00 (-1,12%)
     
  • BTC-USD

    39.535,20
    +4.196,60 (+11,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    985,04
    +43,23 (+4,59%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.153,46
    +19,40 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.014,75
    +20,50 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1908
    -0,0018 (-0,03%)
     

Fleury quer se tornar ecossistema de cuidados com a saúde

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em um momento em que a saúde se tornou a maior preocupação mundial, o grupo de medicina diagnóstica Fleury quer ir muito além dos exames de rotina. Por meio de um ambicioso plano de aquisições, que nos últimos cinco anos somou R$ 1 bilhão e envolveu 12 negócios, o grupo vem adquirindo clínicas de especialidades médicas, como oftalmologia e ortopedia, além de investir no atendimento via telemedicina e em soluções "health tech", como o prontuário eletrônico.

"Nós queremos montar um ecossistema que atua de forma híbrida na jornada de cuidados do indivíduo", afirmou à Folha a principal executiva do Fleury, Jeane Mike Tsutsui.

A empresa acaba de anunciar a compra de dois tradicionais laboratórios capixabas -o Pretti e o Bioclínico- por R$ 315,1 milhões. Com a aquisição, o grupo passa a estar presente no Espírito Santo, somando nove estados e o Distrito Federal.

O laboratório Pretti tem 25 unidades na região metropolitana de Vitória e registrou receita bruta de R$ 53,6 milhões no final de 2020. Também na Grande Vitória, o Bioclínico tem 15 unidades e atingiu receita bruta de R$ 42 milhões no final do ano passado.

No momento, o Fleury mantém cinco negociações em curso para futuras aquisições.

"Fechamos o primeiro trimestre com um caixa de R$ 1 bilhão e uma alavancagem que está em uma vez o Ebitda [lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização]", diz Fernando Leão Filho, diretor de finanças e relações com investidores do grupo. "Temos flexibilidade financeira para avançar a todo vapor".

No alvo, estão tanto novas clínicas de especialidades médicas como laboratórios em cidades já atendidas com o serviço de telemedicina, mas que ainda não têm uma unidade física do Fleury --realidade observada em 40% destes atendimentos. Atualmente, o grupo soma 283 unidades em quase todas as regiões do país, com exceção da Norte.

"Nosso principal mercado continua sendo o da medicina diagnóstica, mas queremos ter mais vidas conectadas a este sistema de saúde, oferecendo uma solução integrada entre consultas, exames e tratamento", diz Jeane. "Colocamos o cliente no centro do negócio e vamos oferecer a ele uma solução ambulatorial completa".

De acordo com a executiva, o negócio de saúde ainda está muito fragmentado no país, o que abre espaço para um movimento forte de consolidação.

"Desde que assumi, coloquei para o time de fusões e aquisições as oportunidades que temos no radar", diz Jeane, que se tornou presidente da companhia em abril.

O grupo é dono das marcas Fleury Medicina e Saúde, a+ Medicina Diagnóstica, Laboratório Weinmann, Labs a+, Clínica Felippe Mattoso, Diagnoson a+, Weinmann Serdil, Instituto de Radiologia, Campana, Cedire, Centro de Patologia Clínica, Diagmax, LAFE, Inlab, Papaiz e SantéCorp.

Está presente nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Paraná, Bahia, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Maranhão, Espírito Santo e no Distrito Federal. Fundado em 1926, o Fleury conta com mais de 10 mil funcionários.