Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.131,73 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,63 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -1,53 (-2,86%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -23,70 (-1,28%)
     
  • BTC-USD

    37.593,28
    +1.487,43 (+4,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,26 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +77,00 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,08 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -142,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3926
    +0,0791 (+1,25%)
     

Flamengo tem Thuler expulso e empata com o Racing com gol de Gabigol

Diogo Dantas
·2 minuto de leitura
Foto: Alexandre Vidal / Flamengo / Agência O Globo

O mata-mata da Libertadores começou emocionante para o atual campeão. Debaixo de um temporal, o Flamengo arrancou um empate com o Racing, 1 a 1 na Argentina, no primeiro jogo das oitavas de final, e vai resolver a classificação no Maracanã na próxima terça-feira. O empate sem gols é do Flamengo.

Depois de sair atrás no placar, gol de Fértoli, o time de Rogério Ceni deixou tudo igual com Gabigol, que saiu com dores no começo do segundo tempo.

Thuler também foi expulso nos minutos finais, tornando o fim de jogo dramático. Mesmo no banco, o também zagueiro Natan levou cartão vermelho por reclamação.

A partida mostrou os avanços do Flamengo com Rogério Ceni, mas também os problemas que ainda precisam ser corrigidos. A falha defensiva no gol do Racing foi coletiva. Expôs a lentidão de Filipe Luis no primeiro combate e de Léo Pereira na conclusão da jogada. Diego Alves ainda aceitou o arremate sem força.

O principal mérito do Flamengo era a movimentação intensa de seu quarteto ofensivo, que se reencontrava após quase cem dias. Sobretudo Bruno Henrique, melhor alternativa, pela ponta esquerda. Assim nasceu o gol de empate logo em seguida. O atacante arrancou e serviu Gabigol, que estava muito bem, mas ainda aquém fisicamente.

Apesar de ter uma equipe tecnicamente superior no ataque, o Flamengo sofreu para construir seu jogo desde a defesa. A bola normalmente voltava no goleiro, já que o Racing também marcava adiantado. Sem Isla, que sentiu no aquecimento, Renê foi lançado na lateral direita. E as saídas normalmente começavam com Filipe Luis e Léo Pereira.

Houve erros de passe que resultaram em sustos sucessivos. Mas quando o time acertava e Gerson pegava a bola para a transição, dava resultado. Assim, Bruno Henrique recebeu na boa para carimbar o travessão. Quando o volante não aparecia, o time sofria.

No segundo tempo, a saída precoce de Gabigol, reclamando de dores, esfriou as ações do Flamengo. Que trocou a alta intensidade por uma postura mais cautelosa. Na parte final do jogo o time passou a ter mais posse de bola, com Éverton Ribeiro mais participativo.

Houve três gols anulados, dois do Racing, em função de faltas, e um do Flamengo, após impedimento. Todos lances marcados pelo árbitro de vídeo. Assim como a expulsão de Thuler, após falta dura. Com um a menos, o Flamengo se fechou e tornou o empate conveniente.