Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.840,76
    -522,34 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.264,39
    -450,21 (-0,87%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,17
    +0,51 (+0,62%)
     
  • OURO

    1.800,10
    +1,30 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    61.697,29
    +2.758,60 (+4,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.495,90
    +76,53 (+5,39%)
     
  • S&P500

    4.596,42
    +44,74 (+0,98%)
     
  • DOW JONES

    35.730,48
    +239,79 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.249,47
    -3,80 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    25.555,73
    -73,01 (-0,28%)
     
  • NIKKEI

    28.820,09
    -278,15 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.720,50
    +133,25 (+0,85%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5884
    +0,1637 (+2,55%)
     

Flamengo joga menos do que pode com Renato Gaúcho? Checamos

·2 minuto de leitura

O Flamengo abriu 2 a 0 de vantagem nas semifinais da Libertadores e, após o jogo no Maracanã, ficou a impressão entre analistas e torcedores de que o time com Renato Gaúcho poderia ter se exposto menos e feito um placar ainda maior.

A sensação de que o jogo coletivo do Flamengo não atinge o seu ápice com o treinador, no entanto, não tem respaldo nos números. Sobretudo se o desempenho colocado em questão é comparado aos trabalhos anteriores. Para que se conclua que o time não tem seu melhor desempenho, é preciso compará-lo ao último melhor desempenho.

E apesar do estilo e das ideias diferentes, Renato Gaúcho segue com a maior média de gols marcados e a menor média de gols sofridos do que seus antecessores. Desde Jorge Jesus, o Flamengo não é tão produtivo ofensivamente e nem tão seguro defensivamente. Mas isso é apenas o que os dados que influenciam diretamente no resultado dizem.

Com Renato, são 52 gols marcados em 18 jogos, média de 2.8 por partida. No mesmo período, o Flamengo levou apenas 12 gols. Uma média de 0,6 por jogo. Do total de gols, 22 foram na Libertadores, 42%, percentual maior que no Brasileiro e na Copa do Brasil. Por outro lado, o time sofreu apenas quatro gols no torneio sul-americano, 33% do total. Na competição mata-mata nacional, sequer foi vazado.

A aparente menor consistência em razão das chances criadas pelos adversário, pelo menos até agora, não redundaram em danos significativos. Por isso mesmo na comparação com Jorge Jesus, quando o Flamengo controlava muito mais os jogos, os números da era Renato Gaúcho são superiores. Com o português, o Flamengo teve uma média de 2.3 gols marcados por partida, e 0.82 sofrido. Com o espanhol Doménec Torrent, 1.7 e 1.4 respectivamente. E com Ceni, 1.9 e 1.2.

Em campo, o que se vê na prática é um Flamengo mais reativo. Que consegue jogar melhor com espaços. Contra defesas bem armadas, o time de Renato Gaúcho tem dificuldade para encontrar soluções. Sobretudo quando não tem Arrascaeta, meia que foi desfalque no jogo com o Barcelona.

CONFIRA OS NÚMEROS

Flamengo com Renato Gaúcho

18 jogos

15 vitórias

1 empate

2 derrotas

52 gols marcados

12 gols sofridos

85% de aproveitamento

Flamengo com Ceni

45 jogos

23 vitórias

11 empates

11 derrotas

86 gols marcados

55 gols sofridos

59,3% de aproveitamento

Flamengo com Dome

26 jogos

15 vitórias

5 empates

6 derrotas

46 gols marcados

38 gols sofridos

64,1% de aproveitamento

Flamengo com Jorge Jesus

58 jogos

44 vitórias

10 empates

4 derrotas

132 gols marcados

48 gols sofridos

81,6% de aproveitamento

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos