Mercado abrirá em 9 h 18 min
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,91
    -0,22 (-0,35%)
     
  • OURO

    1.778,20
    -2,00 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    57.084,77
    -2.624,58 (-4,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.298,55
    -93,16 (-6,69%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    29.255,99
    +286,28 (+0,99%)
     
  • NIKKEI

    29.748,10
    +64,73 (+0,22%)
     
  • NASDAQ

    14.045,50
    +16,00 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6719
    -0,0142 (-0,21%)
     

Flamengo e Grêmio brigam pelo posto de melhor da década na Série A

João Pedro Fonseca
·2 minuto de leitura

Nesta reta final de Campeonato Brasileiro, o rival do Flamengo é o Internacional. Mas um olhar a longo prazo credencia outro clube gaúcho a um duelo paralelo com os cariocas: o Grêmio disputa com o rubro-negro o posto de melhor time da última década na Série A.

Hoje, a vantagem do tricolor é de somente um ponto. Ou seja, mesmo sem maiores pretensões a esta altura do campeonato, o Grêmio visita o Bragantino na rodada final para confirmar esse feito simbólico. Já o Flamengo, além da óbvia busca pelo título brasileiro, ratificaria sua posição como a principal força do país.

É representativo — e também um sinal para o futuro — que os dois liderem a lista. São clubes que, nos últimos anos, apostaram em modelos de gestão financeiramente responsáveis. Se o rubro-negro conta com as maiores receitas, o Grêmio ilustra que, sem a mesma pujança, é possível ser efetivo construindo um projeto esportivo sólido.

O roteiro rubro-negro é aquele que já se conhece, iniciado em 2013 com a intenção de sanear as dívidas e limpar a imagem do clube para maximizar receitas. Num momento inicial, esse esforço resultou em times limitados, que, no primeiro triênio, fizeram 48,6 pontos em média. Mesmo que perca para o São Paulo, esse índice saltará para 77,6 pontos nos últimos três anos.

Taças impulsionam Timão

Já o tricolor impressiona pela consistência, uma virtude que compensa o fim de mais uma década sem título do Brasileirão. A estatística gremista poderia impressionar ainda mais se tantas vezes na gestão Renato Gaúcho o clube não tivesse deixado a principal competição nacional de escanteio, enquanto se dedicava aos torneios mata-mata.

O time que fecha o pódio, o Corinthians, está longe da solidez financeira, mas conseguiu por três vezes (2011, 2015 e 2017), mais que todos os rivais, ficar com a taça. E só perdeu as primeiras posições deste ranking porque suas campanhas mais recentes foram frustrantes.

Outro protagonista no cenário nacional nos últimos anos, o Palmeiras aparece apenas em oitavo. Bicampeão no período, o alviverde teve uma primeira metade de década muito ruim, com uma queda para a Série B em 2012.

Ser rebaixado, aliás, tem impacto direto nesta relação, não apenas porque o time deixa de pontuar por um ano, mas porque o descanso é logicamente precedido por uma temporada de aproveitamento ruim.

O ranking detalhado ilustra ainda como os últimos anos foram duros para Botafogo e Vasco, os piores entre os 12 grandes e atrás do Athletico. O cruz-maltino, que disputará a segunda divisão pela quarta vez, acumula um déficit impressionante de 220 pontos em relação ao Grêmio — numa conta imprecisa, é como se tivesse vencido 73 jogos a menos.