Mercado fechado

Fiver Parties: entenda a nova tendência de festas infantis

As Fiver Parties arrecadam dinheiro dos convidados para presentear aniversariantes (Getty Images)

As Fiver Parties, tendência em países como Inglaterra, Canadá e Estados Unidos, já está virando mania no Brasil. Esse tipo de comemoração de aniversário tem como principal conceito deixar que o aniversariante escolha seu próprio presente – ao contrário das festinhas tradicionais, onde os convidados que escolhem o presente que vão dar.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

As Fiver Parties funcionam da seguinte forma: em vez de dar presentes que muitas vezes as crianças aniversariantes simplesmente não vão gostar, os convidados dão uma quantia em dinheiro. Lá fora, o valor mínimo é de 5 unidades da moeda local (podendo ser em dinheiro vivo ou vale-presente). "Fiver" é derivado de "five"  (cinco em inglês).

Leia também

Fiver Parties evitam saia-justa com o aniversariante 

A principal vantagem é dar à criança aniversariante oportunidade de escolher algo que realmente queira ou precise. Além disso, as  Fiver Parties podem ser uma garantia de não rolar constrangimentos na festinha – afinal, as crianças geralmente são bastante sinceras e podem querer abrir o presente durante a festa e ainda soltar um "não era isso que eu queria!"

Além disso, os pais não precisaram de um espaço extra para organizar os presentes, e os convidados não precisam se preocupar em gastar muito. Mas claro que eles podem dar uma quantia maior do que os R$ 5, no caso do Brasil, para ajudar na compra da lembrança. Cada um contribui como quiser.

PHD em psicologia aprova as Fiver Parties

É uma boa oportunidade para servir para ensinar os pequenos também a escolher com mais qualidade seus presentes, em vez de ter uma porção de coisas em casa apenas para acumular em casa, como afirma a PhD em psicologia social Susan Newman. “Particularmente com crianças mais novas, quanto menos brinquedos tiverem, mais se beneficiam com o desenvolvimento”, disse ela, em entrevista à publicação norte-americana Good Housekeeping.