Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.909,03
    -129,08 (-0,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.867,15
    +618,13 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,90
    -0,02 (-0,03%)
     
  • OURO

    1.836,70
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    55.556,79
    -2.588,09 (-4,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,56
    -96,73 (-6,20%)
     
  • S&P500

    4.188,43
    -44,17 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    34.742,82
    -34,94 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.123,68
    -6,03 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    28.595,66
    -14,99 (-0,05%)
     
  • NIKKEI

    29.518,34
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    13.333,75
    -23,00 (-0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3621
    +0,0219 (+0,35%)
     

Fitch vai esperar até o próximo ano para julgamento final em meio à pandemia

·1 minuto de leitura
Fitch vai esperar até o próximo ano para julgamento final em meio à pandemia

LONDRES (Reuters) - A agência de classificação de risco Fitch informou que deve esperar até o próximo ano antes de tomar a decisão final sobre muitos dos países que ainda estão em alerta de rebaixamento devido à crise da Covid-19.

A Fitch rebaixou um recorde de 35 países, incluindo 10 mais de uma vez, no ano passado, quando a pandemia paralisou economias e elevou os níveis da dívida.

O cenário parece estar longe do fim. A empresa ainda tem 35 países com rating soberano com "perspectiva negativa" - linguagem da agência de classificação para alerta - variando dos mais bem classificados, como os Estados Unidos e Austrália, para muitos no final do espectro.

Estatisticamente, isso apontaria para outra grande onda de cortes. Historicamente, 63% das perspectivas negativas da Fitch acabaram em rebaixamento, embora as crises tendam a ser diferentes e essa, especialmente, tem sido assim.

Na sequência da crise financeira em 2009 e 2010, 46% e 43% dos países colocados em perspectivas negativas nesses respectivos anos foram rebaixados dentro de cerca de 6 meses. Desta vez, o saldo foi de apenas 21%, embora muitos tenham sido colocados em alerta há quase um ano.

O diretor-gerente da Fitch para soberanos globais e supranacionais, Tony Stringer, disse que a natureza única da pandemia combinada com a incerteza sobre a recuperação e as taxas de juros globais significam que muitas dessas decisões de classificações de risco precisarão de mais tempo.

"Só no ano que vem veremos o julgamento final de muitos desses países", disse Stringer à Reuters.

"Não espero ver um número significativo de ações negativas nos próximos meses. Acho que vai demorar mais para avaliar como os países estão lidando com a fase de recuperação e, em seguida, ver os planos de consolidação fiscal."

(Por Marc Jones)