Mercado fechará em 2 h 19 min
  • BOVESPA

    111.744,84
    +835,23 (+0,75%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.477,20
    +303,14 (+0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,62
    +2,42 (+3,09%)
     
  • OURO

    1.767,30
    +3,60 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    16.884,12
    +476,29 (+2,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,82
    +0,13 (+0,03%)
     
  • S&P500

    3.957,16
    -0,47 (-0,01%)
     
  • DOW JONES

    33.712,17
    -140,36 (-0,41%)
     
  • FTSE

    7.589,82
    +77,82 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    18.597,23
    +392,55 (+2,16%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.561,00
    +36,25 (+0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4217
    -0,0349 (-0,64%)
     

Fitch não vê mudanças na política macroeconômica sob Lula, mas agenda micro e fiscal serão chave

Reflexo de uma bandeira dos EUA na fachada da sede da Fitch Ratings em Nova York

SÃO PAULO (Reuters) - A Fitch Ratings disse nesta segunda-feira que a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições presidenciais brasileiras provavelmente não resultará numa grande mudança na política macroeconômica do país, mas avaliou que essa perspectiva depende de sinais mais claros sobre sua agenda fiscal, enquanto a pauta microeconômica deve sofrer alterações sob o governo do petista.

"A continuidade ampla da política macroeconômica continua sendo nossa expectativa", disse a agência em nota, destacando a tentativa da campanha de Lula de se aproximar do centro ao escolher Geraldo Alckimin, antes um forte crítico do PT, para integrar a chapa como vice. "A vitória de partidos conservadores nas eleições para o Congresso de outubro também podem colocar um freio em um programa econômico de esquerda", avaliou a Fitch.

A agência também lembrou que há pouca probabilidade de mudanças no atual regime de política monetária do país sob Lula, já que o Banco Central agora é independente.

"No entanto, o Brasil enfrenta desafios fiscais e de crescimento. Estes já estão capturados em seu 'rating' soberano, mas a forma como são tratados influenciará a trajetória futura da classificação", disse a Fitch.

Lula disse várias vezes durante a campanha que pretende revogar o teto de gastos, a principal âncora fiscal do país, e sua campanha ainda não detalhou que instrumento substituiria a atual regra.

A Fitch projeta que Brasil passará a mostrar déficit primário de 1,0% do PIB em 2023, após provável saldo positivo de 1,0% neste ano. O prognóstico de piora se deve à expectativa de redução cíclica de receitas, cortes de impostos e medidas de aumento de gastos, incluindo a provável extensão do Auxílio Brasil.

A vitória de Lula também pode significar uma pausa nos esforços de privatização e maior ênfase no investimento via setor público, disse a Fitch.

"Não está claro se o governo Lula será capaz de lidar com as questões que pesam sobre o investimento privado, incluindo um sistema tributário complexo. O apetite por uma reforma administrativa para melhorar a eficiência do setor público também não é claro", acrescentou a agência.

A Fitch dá ao Brasil "rating" "BB-", com perspectiva estável.

(Por Luana Maria Benedito)