Mercado fechará em 2 h 6 min
  • BOVESPA

    113.435,82
    -271,94 (-0,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.557,81
    -176,23 (-0,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,26
    +3,15 (+3,58%)
     
  • OURO

    1.772,30
    -4,40 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    23.353,15
    -66,42 (-0,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    557,37
    -0,36 (-0,06%)
     
  • S&P500

    4.278,50
    +4,46 (+0,10%)
     
  • DOW JONES

    33.898,87
    -81,45 (-0,24%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.555,50
    +62,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2364
    -0,0228 (-0,43%)
     

Fitch melhora perspectiva para nota do Brasil para "estável", mantém "rating" em "BB-"

Logo da Fitch Ratings na sede da agência de classificação de risco em Londres

SÃO PAULO (Reuters) - A Fitch Ratings melhorou a perspectiva para a nota de crédito soberano de longo prazo em moeda estrangeira do Brasil para "estável", ante "negativa", e reafirmou o "rating" "BB-" (ainda em grau especulativo), citando evolução melhor que a esperada das contas públicas depois de sucessivos choques nos últimos anos.

A agência estima que a forte redução na proporção da dívida pública em 2021 sobre o PIB seja seguida de outra ligeira queda em 2022, o que melhoraria "consideravelmente" o ponto de partida antes de um aumento gradual projetado para a partir de 2023.

A dinâmica de crescimento de curto prazo superou as expectativas, disse a agência, e o progresso adicional nas reformas pode beneficiar as perspectivas de investimento de médio prazo. Além disso, na visão dos analistas, o aperto decisivo da política monetária por parte do Banco Central, apoiado em sua nova autonomia formal, destaca o compromisso com o combate à inflação.

A Fitch ponderou, no entanto, que desafios fiscais e de crescimento econômico persistem e que as eleições presidenciais de outubro de 2022 geram incerteza sobre como esses pontos serão tratados.

A agência projeta que o déficit nominal suba para 7,5% do PIB neste ano, com custos de juros acentuadamente mais altos e medidas fiscais e de gastos aprovadas pelo Congresso.

A Fitch espera que o déficit fiscal permaneça "grande" em 2023, devido ao crescimento econômico mais fraco e a preços das commodities, pressões salariais e a expansão da cobertura do Auxilio Brasil, com risco adicional caso medidas temporárias de impostos/gastos sejam estendidas.

"O ritmo da consolidação fiscal de médio prazo permanece incerto devido às eleições iminentes e a possíveis mudanças no teto de gastos", disse a agência.

Ainda assim, a Fitch prevê que o arcabouço de política econômica do Brasil será mantido após as eleições.

A agência calcula que a dívida bruta do Brasil em relação ao PIB cairá para 78,8% em 2022, de 80,3% em 2021 e 88,6% em 2020.

A nota de crédito soberano atribuída ao Brasil pela Fitch está no chamado grau especulativo. A agência S&P também mantém o Brasil nessa faixa, com "rating" "BB-", assim como a Moody's, que confere nota "Ba2".

(Por José de Castro)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos