Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.867,62
    +338,65 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,12
    -0,23 (-0,37%)
     
  • OURO

    1.797,40
    +4,30 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    54.421,13
    -1.421,98 (-2,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.259,09
    -3,87 (-0,31%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.794,43
    +172,51 (+0,60%)
     
  • NIKKEI

    28.972,47
    +463,92 (+1,63%)
     
  • NASDAQ

    13.898,75
    -20,50 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7067
    +0,0047 (+0,07%)
     

Fitch diz que "altas necessidades" de financiamento expõem Brasil a riscos

·2 minuto de leitura
Fitch diz que "altas necessidades" de financiamento expõem Brasil a riscos

BRASÍLIA (Reuters) - A agência de classificação de riscos Fitch Ratings afirmou nesta quarta-feira, por meio de relatório, que as elevadas necessidades de financiamento expõem o Brasil a choques e riscos de rolagem, apesar de mencionar que a diversidade de investidores domésticos com "viés doméstico" apoia a rolagem da dívida.

Em comunicado, a Fitch destaca que o Tesouro Nacional teve de encurtar o prazo da Dívida Púbica Federal (DPF) em razão da inclinação da curva de rendimentos. A agência projeta que o volume de vencimentos das dívidas no mercado local gira em torno de 1,35 trilhão de reais neste ano, equivalente a 17% do Produto Interno Bruto (PIB), com alta concentração de vencimentos no primeiro semestre.

"As altas necessidades de financiamento expõem o Brasil a choques e riscos de rolagem, mas a diversidade de investidores institucionais domésticos com viés doméstico apoia a rolagem da dívida. A reserva de liquidez do Tesouro de 12% do PIB ao fim de 2020 continua adequada, permitindo que permaneça fora dos mercados domésticos por vários meses", detalha.

A Fitch também afirmou que as preocupações fiscais do país aumentaram desde a pandemia da Covid-19, embora tenha projetado que o déficit do governo recuará neste ano, apesar de permanecer elevado.

De acordo com a agência, em razão da nova rodada de auxílio emergencial concedida aos mais vulneráveis, somada às expectativas de elevação da Selic pelo Banco Central, o déficit primário deve encerrar o ano em torno de 8,5% do Produto Interno Bruto (PIB).

Ao comentar a conjuntura econômica que o país enfrenta, a Fitch lembra que a "trajetória incerta do coronavírus" e o processo de imunização da população criam riscos negativos para a atividade econômica, as contas fiscais e a trajetória da dívida pública.

"A perda de confiança na trajetória das contas fiscais, bem como nas reformas e na política e incertezas na política econômica podem prejudicar a recuperação", pontua. A Fitch ainda alerta que alterações no ambiente financeiro externo que levem à reprecificação de riscos "pode resultar em condições de financiamento doméstico locais mais restritivas, criando, assim, riscos adicionais".

Atualmente, a agência atribui rating "BB-" ao Brasil, com perspectiva negativa.

(Por Gabriel Ponte)