Mercado fechado

"Fiscal, fiscal e fiscal bem feito" diz Waldery ao comentar PIB de 2019

Lu Aiko Otta e Edna Simão

Secretário de Fazenda considerou o resultado positivo e o atribuiu à reforma da Previdência O resultado do Produto Interno Bruto (PIB) de 2019 veio em linha com o esperado, disse há pouco o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues. Ele atribuiu o crescimento de 1,1%, que considerou positivo, à aprovação da reforma da Previdência, em outubro.

“Fiscal, fiscal e fiscal bem feito tem retorno no curto, médio e longo prazos”, afirmou. “No segundo semestre, quando a perspectiva de aprovação da reforma da Previdência se tornou clara, o PIB registrou crescimento que, anualizado, é de 2,3%.”

PIB está no nível do primeiro trimestre de 2013, aponta IBGE

“Para 2020, o plano é persistir nas reformas”, disse Waldery, citando as reformas administrativa e tributária, o Regime de Recuperação Fiscal (RRF) e as Propostas de Emenda à Constituição (PECs) Emergencial, dos Fundos e do Pacto Federativo.

Waldery Rodrigues, secretário especial da Fazenda

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

“O primeiro elemento é a consolidação fiscal, o segundo é a melhoria alocativa e o terceiro, cuidar do crédito”, enumerou.

Nesse último grupo, o secretário citou o saque-aniversário do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que tem 2 milhões de interessados, podendo chegar a 10 milhões e com possibilidade de contratação de créditos de até R$ 100 bilhões.

Ele também falou de iniciativas em preparação para fortalecer o mercado de capitais e ainda mencionou a Medida Provisória (MP) do Agro, que reformulou o crédito no setor, e as medidas de aperfeiçoamento do crédito consignado e dos compulsórios.

O novo coronavírus, porém, preocupa, disse Waldery, acrescentando que o governo divulgará na próxima semana uma nova grade de parâmetros macroeconômicos, inclusive uma nova estimativa do PIB.

“Nossa expectativa é que [o PIB de 2020] fique pouco acima de 2%”, disse. Seria uma projeção em linha com a do mercado. O mais recente boletim Focus indica 2,17% de crescimento para este ano.