Mercado abrirá em 6 h 36 min
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.220,83 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,61 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,48
    +0,98 (+1,59%)
     
  • OURO

    1.750,30
    +21,50 (+1,24%)
     
  • BTC-USD

    46.299,95
    +1.040,68 (+2,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    925,40
    -7,74 (-0,83%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,63 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    29.388,92
    +408,71 (+1,41%)
     
  • NIKKEI

    29.663,50
    +697,49 (+2,41%)
     
  • NASDAQ

    13.049,75
    +138,75 (+1,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7584
    +0,0001 (+0,00%)
     

Fiscais de renda de SP se preparam para fazer greve por salário

JOANA CUNHA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os agentes fiscais de renda do estado de São Paulo se preparam para entrar em greve no início de abril. A decisão foi tomada em assembleia geral virtual organizada pelo Sinafresp (sindicato da categoria) na noite desta quinta-feira (11). O grupo diz que está sem reposição salarial há oito anos. O teto da remuneração dos fiscais de renda de São Paulo gira em torno de R$ 23 mil, que é o patamar do salário do governador. Além do aumento, Leandro Ferro, diretor do sindicato, afirma que o grupo pede a criação de regras para garantir maior autonomia dos profissionais em relação ao governo estadual. A mobilização dos fiscais de renda acontece enquanto o governo Doria continua sofrendo pressão de diversos setores por causa dos reajustes deste ano no ICMS. ​ Procurado pela reportagem, o governo estadual afirma que recebeu o Sinafresp em recentes reuniões no final de 2020 para tratar das reivindicações. "Embora a categoria seja uma das mais bem remuneradas do estado, o governo trabalha para encontrar soluções para as demandas desse grupo", diz. Também afirma que a lei complementar do ano passado que instituiu o enfrentamento ao coronavírus proíbe a concessão de reajustes para servidores públicos até 31 de dezembro de 2021.