Mercado abrirá em 6 h 6 min
  • BOVESPA

    109.114,16
    -2.601,84 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.808,56
    -587,38 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,83
    +1,12 (+1,46%)
     
  • OURO

    1.643,10
    +9,70 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    20.222,72
    +1.494,33 (+7,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    461,98
    +28,88 (+6,67%)
     
  • S&P500

    3.655,04
    -38,19 (-1,03%)
     
  • DOW JONES

    29.260,81
    -329,60 (-1,11%)
     
  • FTSE

    7.020,95
    +2,35 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    17.861,12
    +5,98 (+0,03%)
     
  • NIKKEI

    26.571,87
    +140,32 (+0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.447,50
    +131,25 (+1,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2016
    +0,0222 (+0,43%)
     

Fiocruz vai produzir remédio contra covid-19

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) assinou, nesta semana, um acordo de cooperação tecnológica com a farmacêutica norte-americana MSD — também conhecida como Merck. Juntas, irão produzir o antiviral molnupiravir contra a covid-19, que deve ser distribuído gratuitamente Sistema Único de Saúde (SUS).

Inicialmente, a Fiocruz será responsável pela armazenagem, administração, rotulagem, embalagem, testagem, liberação, importação e fornecimento do medicamento molnupiravir para o SUS. O braço responsável pelas atividades será o Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos/Fiocruz).

Fiocruz vai produzir novo medicamento contra a covid-19 e produção será entregue para o SUS (Imagem: Twenty20photos/Envato Elements)
Fiocruz vai produzir novo medicamento contra a covid-19 e produção será entregue para o SUS (Imagem: Twenty20photos/Envato Elements)

Neste contexto, o molnupiravir será importado pronto para o Brasil, mas todos os outros processos serão geridos pela Fiocruz. No futuro, é possível que haja a transferência de tecnologia, ou seja, o antiviral poderá ser 100% feito no país.

Vala lembrar que, na quarta-feira (4), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o uso emergencial do medicamento molnupiravir no Brasil. No mundo, outros 17 países já aprovaram a medicação.

Quando usar o remédio contra covid-19?

Podem ser beneficiados pelo tratamento os pacientes com casos leves ou moderados da covid-19, mas que tenham risco de desenvolver a forma grave da doença, como aqueles que apresentam algum nível de imunossupressão ou comorbidades. "O medicamento [de uso oral] deve ser utilizado durante os cinco primeiros dias após o aparecimento dos sintomas, de modo a evitar o desenvolvimento de uma versão resistente do vírus", orienta a Anvisa.

"Além do avanço da vacinação da covid-19 no país, podermos agora contar adicionalmente com um medicamento que contribui para a redução o número de pacientes com covid-19 leve a moderado que progridem para doença grave, o que certamente terá um forte impacto positivo no SUS e no enfrentamento à pandemia”, afirmou a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima, em comunicado.

Produção da Fiocruz pode ser 100% nacional?

Tanto a Fiocruz quanto a MSD estudam a possibilidades da transferência de tecnologia, o que garantirá a produção 100% nacional do molnupiravir. No entanto, o processo não deve ser iniciado antes que se completem os dois anos do atual acordo. Nesse período, será possível avaliar as condições técnicas e a demanda do próprio SUS pelo medicamento.

Além da parceria da produção, o atual acordo também prevê novos ensaios clínicos com a pílula. A ideia é verificar se o medicamento contra a covid-19 pode funcionar na profilaxia (evitar a infecção). A fórmula também terá sua eficácia estudada contra outras doenças endêmicas no Brasil, como dengue e chikungunya. O prazo de início da pesquisa não foi divulgado.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: