Mercado fechará em 6 h 21 min
  • BOVESPA

    101.915,45
    -898,58 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.698,72
    -97,58 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,10
    +2,92 (+4,41%)
     
  • OURO

    1.788,40
    +11,90 (+0,67%)
     
  • BTC-USD

    57.281,32
    -751,11 (-1,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.469,06
    +26,29 (+1,82%)
     
  • S&P500

    4.567,00
    -88,27 (-1,90%)
     
  • DOW JONES

    34.483,72
    -652,22 (-1,86%)
     
  • FTSE

    7.167,55
    +108,10 (+1,53%)
     
  • HANG SENG

    23.658,92
    +183,66 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    27.935,62
    +113,86 (+0,41%)
     
  • NASDAQ

    16.398,50
    +248,00 (+1,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3445
    -0,0255 (-0,40%)
     

Fiocruz inaugura novo laboratório para testar vacinas

·3 min de leitura

Na terça-feira (23), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) inaugurou o Laboratório Físico-químico (Lafiq), dentro do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos). O novo espaço foi construído para ampliar a capacidade da Fiocruz em analisar se as vacinas produzidas internamente mantêm o controle de qualidade, o que será fundamental para a produção 100% nacional dos imunizantes contra a covid-19.

Além das vacinas contra o SARS-CoV-2, o laboratório será utilizado para acompanhar a qualidade de outros produtos do portfólio da Fiocruz. A construção foi financiada pela doação de recursos feita por empresas privadas e permitirá que novos imunizantes cheguem o Sistema Único de Saúde (SUS).

Onde fica o novo laboratório da Fiocruz?

Certificado com o grau de biossegurança NB2, o novo laboratório da Fiocruz foi construído no Complexo Tecnológico de Vacinas (CTV), na cidade do Rio de Janeiro. No total, são 1.362 m² de área, divididos em dois pavimentos de laboratórios e um piso técnico. A estimativa é que o investimento eleve a capacidade de controle de qualidade da Bio-Manguinhos/Fiocruz em 50%.

As obras duraram sete meses e custaram cerca R$ 19 milhões, sem contar o valor da aquisição de novos equipamentos. Vale mencionar que "o prédio também foi projetado para atender parâmetros de sustentabilidade, contando com efluente industrial para o correto descarte de rejeitos em uma estação de tratamento própria, sistema de controle ambiental para o armazenamento temporário de resíduos químicos, sistema de descarte de resíduos infectantes e proteção antirruído", segundo a Fiocruz.

Vacina feita no Brasil

Com novo laboratório, Fiocruz ampliará a capacidade de produzir vacinas contra a covid-19 (Imagem: Reprodução/Mika Baumeister/Unsplash)
Com novo laboratório, Fiocruz ampliará a capacidade de produzir vacinas contra a covid-19 (Imagem: Reprodução/Mika Baumeister/Unsplash)

De acordo com o diretor de Bio-Manguinhos/Fiocruz, Mauricio Zuma, “com a inauguração desse laboratório, chegamos à última fase do nosso planejamento de internalização da produção da vacina contra a covid-19 em parceria com a AstraZeneca. Foi um trabalho muito árduo, com muitas etapas cumpridas, e agora nós finalizamos aumentando a nossa capacidade de controle de qualidade”.

Isso porque, nos últimos meses, as duas organizações trabalharam para a transferência de tecnologia da vacina Covishield (AstraZeneca/Oxford), ou seja, a Fiocruz está aprendendo como produzir a fórmula, de forma 100% independente. Esse processo inclui também a produção do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA), a matéria-prima dos imunizantes.

No momento, a AstraZeneca analisa os primeiros lotes brasileiros de IFA e, quando aprová-los, a Fiocruz poderá iniciar a produção em larga escala dos imunizantes. Dessa forma, o Brasil não dependerá mais de importações para produzir esta vacina contra a covid-19, facilitando e acelerando aplicação da primeira, segunda ou terceira dose.

Doações de empresas privadas

Os recursos para a construção do novo laboratório são provenientes de doações de empresas privadas — que também contribuíram com as adequações da planta industrial onde está sendo produzido o IFA nacional contra o coronavírus —, totalizando doações de aproximadamente R$ 106 milhões.

Entre os apoiadores do Unidos contra a covid-19, listados pela Fiocruz, estão: Itaú Unibanco, Ambev, Instituto Votorantim, Stone, Fundação Lemann, Americanas, Fundação Brava, Fundação Behring, Zurich Santander, Elopar (Bradesco e Banco do Brasil), UnitedHealth Group, BASF, Repsol Sinopec Brasil, Fundação Telefônica Vivo, B3 e Ministério Público do Trabalho do Rio de Janeiro.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos